Enquanto o rover Perseverance está rolando sobre o Planeta Vermelho, os pesquisadores na Terra estão ansiosos para dar as boas-vindas e investigar as primeiras amostras de solo marciano nos próximos anos. Mas alguns outros cientistas argumentam que as formas de vida marcianas podem se espalhar na Terra, potencialmente causando uma nova e devastadora pandemia da qual não temos defesa.

Trazer rochas da superfície de Marte para a Terra não parece muito empolgante para um pequeno grupo do Comitê Internacional Contra o Retorno de Amostras de Marte (ICAMSR), que alertam sobre os assustadores riscos que essas amostras com vida podem representar para nosso planeta, incluindo um imensa “praga marciana”.

Seu principal argumento é encontrado na página 114 emCosmic Connection: An Extraterrestrial Perspectivede Carl Sagan:

“Marte é um ambiente de grande interesse biológico, é possível que em Marte existam patógenos, organismos que, se transportados para o ambiente terrestre, podem causar enormes danos biológicos - uma praga marciana. Este é um ponto extremamente grave.”

“Por um lado, podemos argumentar que os organismos marcianos não podem causar problemas sérios aos organismos terrestres, porque não houve nenhum contato biológico por 4,5 bilhões de anos entre os organismos marcianos e terrestres.”

“Por outro lado, podemos argumentar igualmente bem que os organismos terrestres não desenvolveram defesas contra patógenos marcianos em potencial, precisamente porque não houve tal contato por 4,5 bilhões de anos. A chance de tal infecção pode ser muito pequena, mas os riscos, se ocorrer, certamente são muito altos.”

Retorno de amostra de Marte

A Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço (NASA) e a Agência Espacial Europeia (ESA) estão trabalhando juntas na Campanha de Retorno de Amostra de Marte em um esforço para trazer pedras preciosas e solo para a Terra para testes detalhados.

Eles planejam lançar um módulo de pouso em 2026 para coletar amostras pelo rover Perseverance, que pousou no planeta Vermelho em fevereiro. Portanto, os solos marcianos - incluindo alguns microrganismos que potencialmente os habitam - podem chegar ao nosso planeta na próxima década.

De acordo com a NASA, “retornar amostras imaculadas de Marte à Terra tem sido um objetivo para gerações de cientistas planetários.”

Chance real de epidemia marciana

O Dr. Gilbert Levin não está muito entusiasmado com isso. O engenheiro, que estava investigando o programa Viking da NASA, que funcionou de 1975 a 1983, disse que há uma "chance real" de o Planeta Vermelho ser habitado por formas de vida que poderia se espalhar pela Terra, potencialmente causando uma nova e devastadora pandemia de que não temos defesa.

“O Retorno de Amostra de Marte mesmo com toda segurança para a Terra, há uma boa probabilidade de que parte da amostra escaparia do laboratório 'seguro' onde o contêiner seria aberto”, diz Levin.

Cientistas do ICAMSR expressam cautela semelhante, citando o lendário astrônomo Carl Sagan, que alertou sobre as consequências da coleta de amostras em seu livro de 1973.

Alternativa para a Terra

O diretor do ICAMSR, Barry DiGregorio, sugere que uma das alternativas seria levar as amostras coletadas para a Lua, onde quaisquer microrganismos poderiam ser identificados e colocados em isolamento, em uma estação espacial chamada Lunar Gateway. As amostras poderiam então ser estudadas lá para garantir que nenhuma infecção fosse liberada para os terráqueos sem imunidade às pragas marcianas.

“Só assim é possível garantir 100% de proteção da biosfera terrestre”, afirma DiGregorio.

A ESA concorda que não há necessidade imediata de trazer as amostras para os laboratórios terrestres:

“Deixar as amostras orbitais em uma órbita estável de Marte é uma das várias estratégias alternativas possíveis depois que as amostras são lançadas da superfície marciana” , disse a agência em um de seus relatórios recentes.

Apenas os laboratórios na Terra possuem o equipamento sofisticado para realizar todos os testes necessários que permitiriam tirar conclusões sobre a geologia e a história de Marte.

“Esperamos que as amostras de Marte forneçam novos conhecimentos nas próximas décadas, à medida que as estudamos com ferramentas de laboratório de última geração que não poderíamos transportar para Marte agora”, disse a diretora de ciência planetária da NASA, Lori Glaze.

[Strange Sounds]

 
});