Layla geralmente passava o maior tempo no quarto quando não estava no colégio, gostava de escrever e ler nesses tempos vagos, num Outono de 1999 ganhou um presente de sua avó. Tirou a embalagem e se encantou com o bonito jarro, colocou o jarro no pequeno armário próximo da cama, anos foram passando até que numa noite recebeu a notícia da morte da sua avó, Layla ficou triste por meses e todas as vezes que olhava para o jarro, mais a saudade aumentava.

 Na manhã de novembro do ano de 2003, Layla chegou do curso mais cedo e deitou-se na cama, olhando para o nada sentiu um cheiro suave, não era de perfume ou dos costumeiros produtos que a sua mãe usava para limpar o quarto, intrigada ela vasculhou todos os cantos e nada de encontrar o lugar de onde vinha o cheiro, sentou-se na cama e encarou para o jarro, ao abrir aquele jarro, o cheiro estranho e suave espalhou-se pelo ambiente. Outra situação inusitada ocorreu dias depois, Layla disse:

 Eu acordei pela manhã e descuidadamente deixei a tampa do jarro cair no chão, um pedaço quebrou só que como estava realmente apressada porque não queria chegar atrasada no curso, peguei a tampa e coloquei sobre a cama, lembro de ter dito que daria um jeito de consertar mais tarde, fiquei sentida porque foi algo que minha avó me deu. A noite quando cheguei a tampa estava intacta e sobre o jarro, perguntei a minha mãe e a meu pai se foram eles que fizeram aquilo, o surpreendente é que meus pais disseram que não.

 Layla acredita que dentro do jarro o espírito de sua avó tem cuidado dela, e ainda afirma categoricamente que às vezes ela vê pequenas luzes iluminando os arredores do quarto.

 
});