Shirley Hitchings, uma residente da Inglaterra de 80 anos, famosa  por morar na "casa mais terrível da Grã-Bretanha", pela primeira vez contou como foi perseguida por um poltergeist por sete anos. Ela compartilhou sua história em um documentário sobre esses eventos que será lançado na Rádio 4.

A casa de Shirley Hitchings em Londres é considerada “a mais assustadora da Grã-Bretanha”.

A casa da infância de Shirley está localizada na área de Battersea, no sul de Londres. Ela disse que começou a enfrentar essa força sobrenatural quando tinha 15 anos. Um dia ela descobriu em seu quarto uma chave de prata ornamentada que não encaixava em nenhuma fechadura na casa. De acordo com Shirley depois da descoberta dessa chave, na madrugada sua família foi acordada por um estrondo alto que parecia vir das paredes e do teto, foi assim que tudo começou.



Segundo a história da inglesa, estranhos acontecimentos ocorreram de 1956 a 1968 - objetos voaram pelos quartos, ouviu-se uma batida misteriosa, acendeu-se um fogo sem motivo. Então, de acordo com Shirley, um dia um relógio caiu de uma prateleira, chinelos se moveram pela sala e uma cadeira se ergueu no ar. 

Na esperança de afastar o poltergeist, a adulta Shirley convidou uma médium - a esposa de seu colega - para ir a sua casa. Mas a sessão, em suas palavras, não ajudou. A situação na casa atraiu a atenção da polícia e até das autoridades locais. Os jornais começaram a escrever sobre o poltergeist apelidado de Donald, e essas publicações foram notadas pelo famoso caçador de fantasmas Harold Chibbett. 

Depois de examinar a casa, ele disse à família que acreditava que Donald era um espírito inquieto que assombra uma pessoa em particular e causa distúrbios físicos. Alguns defensores do paranormal acreditam que esse tipo de atividade mística é mais frequentemente “desencadeada” por adolescentes que estão entrando na puberdade, porque eles liberam “pura energia vital” que alimenta poltergeists.

De acordo com Shirley, Chibbett tentou se comunicar com o poltergeist usando cartões com letras, e o fantasma supostamente respondeu com uma garatuja infantil: "Shirley, estou indo." Segundo ela, Donald “exigiu” uma caneta para comunicação.

“Ele [o fantasma] era como um valentão, exigia, dizia às pessoas o que fazer. Ele pegou todas as minhas bonecas velhas que estavam guardadas em um baú no sótão e as trouxe para baixo. Ele cortou suas cabeças, arrancou pedaços de tecido de minhas roupas e deixou bilhetes nos quais mandava costurar vestidos desse material.“ Shirley compartilhou, de acordo com citações.

Segundo a inglesa, o fantasma também espantou os namorados. E quando Shirley se casou em 1965 e se mudou para West Sussex, o fantasma supostamente foi com ela e disse a ela em novas mensagens o que seus pais estavam fazendo.

Segundo a senhora idosa, Donald “calou-se” em 1968 - deixou a última mensagem para os pais dela com as palavras que os estava deixando em paz. Naquela época, a família já estava tão acostumada com o fantasma que a mãe de Shirley começou a chorar, mas ela e o pai estavam felizes.

No entanto, não há evidências de que o poltergeist Donald realmente existiu.

[SouLask]

 
});