Texto tibetano de 2.500 anos encontrado descreve com precisão o coronavírus e sua epidemia. | Resumo.


Um texto de 2.500 anos encontrado no Tibete descreve uma doença pulmonar e seu agente causador. Os especialistas que analisaram o texto notaram que a descrição se assemelha fortemente à atual epidemia de coronavírus.

O texto denominado "Gyud-ji" é dito sobre um vírus redondo com extensões contundentes. Já há 2,5 milênios, os médicos tibetanos sabiam o que causava infecções massivas. 

A epidemia do manuscrito é chamada de nyen rim. Só recentemente os cientistas notaram que se assemelha fortemente a uma infecção por coronavírus. O texto começa com o fato de que as pessoas da era de Kali-yuga se tornaram mercantis e gananciosas. Era como se todos os valores humanos estivessem escondidos em um baú, uma luta começou por religiões e por recursos. Esse comportamento faz com que os poderes superiores enviem epidemias para a Terra, espalhando-se pela respiração.

As vítimas de Nyen Rim tiveram problemas pulmonares, dificuldades respiratórias, tosse, febre, dor abdominal e erupções cutâneas. Acne escura apareceu na pele e, como resultado de um efeito negativo nos intestinos, a diarreia com sangue começou a desaparecer.

O texto descreve o próprio vírus com uma precisão surpreendente, que é redonda e com extensões contundentes. O vírus só pode ser examinado com um microscópio, mas há 2500 anos ele não poderia existir em princípio.

O patógeno, segundo o texto, entra no corpo pelo nariz, orelhas, boca, olhos e ânus. Na maioria das vezes, a penetração ocorre através do nariz e da boca, então as pessoas usam máscaras.

O vírus espalhou-se por todo o corpo muito rapidamente: tecido muscular, canais sanguíneos, ossos e órgãos vitais foram afetados. O tratamento foi feito com decocções de ervas, comprimidos, pastas e cerveja medicinal.

[Planeta]

 
document.querySelectorAll('img').forEach(function(img) { img.src = img.src.replace('/s72-c','/s1600'); });