Borboleta mutante encontrada na zona de exclusão de Chernobyl. | Resumo.


O  acidente de 1986 em Chernobyl resultou em uma das maiores liberações não intencionais de radioatividade da história. O moderador de grafite do Reator 4 foi exposto ao ar, disparando colunas de precipitação radioativa no que hoje é a Bielo-Rússia, Ucrânia, Rússia e Europa. Embora poucas pessoas agora vivam perto de Chernobyl, os animais que vivem nas proximidades do acidente permitem estudar os efeitos da radiação e medir a recuperação do desastre. A maioria dos animais domésticos se afastaram e os animais deformados que nasceram não se reproduziram. Após os primeiros anos do acidente, os cientistas se voltaram para estudos de animais selvagens esquecidos e animais de estimação para aprender sobre o impacto de Chernobyl.

Embora o acidente de Chernobyl não possa ser comparado aos efeitos de uma bomba nuclear porque os isótopos liberados pelo reator diferem dos produzidos por uma arma nuclear, tanto o acidente quanto a bomba causa mutações e câncer. Mas, ao contrário de grandes carnívoros e outra grande fauna, insetos e aranhas viram um grande declínio em sua população. Um estudo de 2009 na revista científica Biology Letters indicou que quanto mais radiação havia em certos lugares ao redor da área do desastre de Chernobyl, menor a população de invertebrados. Um fenômeno semelhante ocorreu após o acidente nuclear de 2011 na usina nuclear de Fukushima. As populações de pássaros, cigarras e borboletas diminuíram, enquanto outras populações de animais não foram afetadas. Mas surgiu algo estranho agora, uma mariposa mutante.

Uma misteriosa borboleta com uma envergadura do tamanho de um pássaro foi encontrada na zona de exclusão de Chernobyl  por pesquisadores da Reserva da Biosfera de Radiação e Ecologia da região, que relataram o encontro em sua página do Facebook. A organização foi criada na zona de exclusão em 2016 para preservar a flora e a fauna únicas da região, realizar pesquisas ecológicas e medir solos contaminados por radiação.



Enquanto milhares de pessoas morreram ou foram afetadas pela radiação liberada durante e após o desastre de Chernobyl em 1986, os cientistas monitoraram a zona de exclusão, que se estende por 30 quilômetros em todas as direções a partir da fábrica onde os trabalhadores fazem a manutenção que só pode durar cinco horas por dia. Por isso, tornou-se uma reserva natural radioativa onde a flora e a fauna sobreviveram ao passar do tempo e em muitos casos prosperaram devido à falta de humanos.

Mas, como comentamos anteriormente, um grupo que não o fez são os insetos. Praticamente todos os invertebrados desapareceram da zona de exclusão, levando alguns animais e pássaros a procurar outros habitats. E é por isso que a borboleta do tamanho de um pássaro despertou todo tipo de reação nas redes sociais, principalmente a preocupação com a existência de criaturas mutantes. Isso fez com que os entomologistas interviessem rapidamente com uma explicação para evitar a disseminação de todos os tipos de teorias.

Cientistas da reserva dizem que a borboleta não é uma mutação, mas sim uma espécie muito rara chamada Catocala fraxini, conhecida como asa azul. Com asas que se estendem por até 110 milímetros em vôo, as asas azuis às vezes são confundidas com pássaros em áreas onde ainda vivem. Uma espécie cujo território cobria a Europa agora está quase extinta no Reino Unido e é uma espécie ameaçada na Ucrânia.

"A borboleta foi classificada como uma espécie vulnerável na Ucrânia", disse a reserva em um comunicado. “Catocala fraxini é um dos maiores representantes das borboletas que vivem na Ucrânia e na Europa em geral. O comprimento de sua asa dianteira pode chegar a 45 mm e a envergadura durante o voo pode chegar a 110 mm. A borboleta é agradável em vôo. A parte inferior da asa azul está ativa à noite e é atraída pela luz. Quando a chuva parar, vamos levar a borboleta até sua árvore favorita, o choupo."



Mas essa explicação não surtiu o efeito desejado, pois ainda há muitos que afirmam que, embora possa se parecer com uma borboleta de asas azuis, os pesquisadores não sabem se a radiação a afetou negativamente ou mesmo sofreu mutação. É importante lembrar que os insetos desapareceram da área do desastre de Fukushima em 2011 no Japão, mas as borboletas voltaram e estão apresentando sinais anormais. Em particular, Pseudozizeeria maha, a grama azul-clara, cresce mais lentamente e têm taxas de mortalidade mais altas do que antes. A verdade é que sabemos muito pouco sobre os efeitos do desastre de Chernobyl, especialmente por causa do encobrimento da ex-União Soviética e agora da Ucrânia.

Também não podemos esquecer as 'histórias' e evidências sobre a presença de humanos mutantes, como o famoso vídeo do YouTube que mostrou o que pareciam ser canibais atacando um homem. Depois que se tornou viral, a explicação era que, na realidade, o vídeo correspondia a um videogame de ação em primeira pessoa chamado STALKER: Shadow Of Chernobyl, onde zumbis (humanos mutantes afetados pelo desastre de Chernobyl) são os principais inimigos. Talvez seja assim, ou também pode ser que Chernobyl realmente esconda um segredo sombrio e sinistro.

[Mundo Paranormal]

 
document.querySelectorAll('img').forEach(function(img) { img.src = img.src.replace('/s72-c','/s1600'); });