Como a Rússia e os Estados Unidos quase começaram uma guerra nuclear em 1995. | Resumo.


O incidente do foguete meteorológico norueguês continua sendo a única vez na história em que o presidente russo ativou sua maleta nuclear.

Em 25 de janeiro de 1995, o apocalipse poderia ter acontecido no mundo: a Federação Russa estava se preparando para lançar um ataque nuclear nos Estados Unidos. Mas como é que os dois países que saíram do confronto da Guerra Fria no passado e acabaram de normalizar as relações entre si se encontravam novamente à beira da destruição mútua?


O início da guerra?


A causa da crise foi um foguete meteorológico norueguês. Seu lançamento foi na pequena ilha de Anneia às 7h, horário local (10h, horário de Moscou), em direção a Spitsbergen, causou pânico no governo da Rússia. 


Black Brant XII. Legion Media / ZUMA Press

Equipado com equipamento científico para estudar a aurora boreal, o Black Brant XII era semelhante ao tamanho do míssil balístico americano Trident D-5, de propulsão nuclear, lançados de submarinos. O Ministério da Defesa da Rússia explicou que ele voou ao longo de uma trajetória da qual, os mísseis americanos voariam no caso de uma guerra nuclear. 

Em dezembro de 1994, a Noruega informou para 28 países, incluindo a Rússia, sobre o lançamento planejado, mas não deu uma data específica, limitando-se a especificar o período: de 15 de janeiro a 10 de fevereiro do ano seguinte. Devido a atrasos burocráticos, esta informação não chegou ao Sistema de Alerta de Mísseis Russo, que soou o alarme.


Minutos decisivos


Uma reunião de emergência com os principais líderes políticos e militares do país foi convocada no Kremlin. O Ministro da Defesa Pavel Grachev, o Chefe do Estado-Maior General Mikhail Kolesnikov e o Presidente da Federação Russa (como Comandante Supremo em Chefe) Boris Yeltsin ativaram três terminais de controle de forças de mísseis estratégicos - as chamadas malas nucleares.

Os militares acreditavam que os Estados Unidos dispararam aquele único míssil para criar um pulso eletromagnético derrubando os radares e sistemas de comunicação russos. Em seguida lançariam o míssil nuclear.

Por vários minutos tensos, enquanto os líderes assistiam ao vôo, foi decidido se a Rússia lançaria um ataque nuclear contra os Estados Unidos. 

“Pouco se sabe hoje sobre o que Yeltsin disse na época, visto que poderiam ter sido alguns dos momentos mais perigosos de toda a história da era nuclear” , escreveu o jornalista do Washington Post David Hoffman  três anos após o incidente: “Eles deixam claro que o sistema de prontidão nuclear da Guerra Fria continua a operar, e quão catastróficas suas consequências poderiam ser, apesar do fato de que a rivalidade entre as grandes potências já acabou”.   

A situação foi normalizada somente quando ficou claro que o foguete tinha ido em direção a Spitsbergen (não muito longe de onde ele caiu no oceano). Os botões nucleares foram desativados. 


O presidente russo, Boris Yeltsin (centro) e o ministro da Defesa russo, Pavel Grachev (à direita). Igor Mikhalev / Sputnik

O incidente de trazer as Forças Nucleares Estratégicas da Rússia para ficarem em prontidão, logo se tornou propriedade da comunidade mundial. Quando, quatro anos depois, os noruegueses estavam prestes a repetir o lançamento do Black Brant XII e relataram isso ao Ministério das Relações Exteriores da Rússia, os EUA também alertaram todos os principais departamentos militares russos sobre isso por meio de seus canais. Como resultado, desta vez não houve surpresas desagradáveis. 

[SouLask]

 
document.querySelectorAll('img').forEach(function(img) { img.src = img.src.replace('/s72-c','/s1600'); });