Fome de proporções bíblicas paira sobre a humanidade devido ao Covid-19. | Resumo.

Fome de proporções bíblicas assomando em todo o mundo devido ao coronavírus. Foto: REUTERS / Carlos Jasso


A pandemia do Covid-19 pode levar a uma calamidade em escala épica, com milhões de pessoas passando fome em todo o mundo, advertiu o chefe do órgão de combate à fome da ONU.

“ Todos os dados que temos, incluindo a previsão do PMA de que o número de pessoas com desnutrição aumentará 80% até o final do ano, aponta para um verdadeiro desastre ” ,  David Beasley, Diretor Executivo do Programa Mundial de Alimentos da ONU (PMA ), disse.

Estamos arriscando uma fome de proporções bíblicas

O rápido aumento no número de pessoas que não conseguem se alimentar sozinhas será apenas um resultado imediato da pandemia, que causou uma interrupção no crescimento e na logística de alimentos em todo o mundo. Mais danos de longo prazo devem se materializar nos próximos anos.

Obviamente, as tensões sociais vão crescer, a migração vai aumentar, os conflitos vão aumentar e a fome provavelmente afetará aqueles que não experimentaram isso antes ”, disse o funcionário ao TASS.

As projeções do PMA dizem que as nações latino-americanas enfrentam a mudança mais dramática em sua situação, com o número de pessoas desnutridas aumentando em até 269%, disse Beasley.

A mesma métrica para países da Ásia Oriental e Central é de 135%.

A África Subsaariana pode ver o número de famintos quase dobrar.

A fome global já está alta, advertiu Beasley. A menos que medidas ousadas sejam tomadas agora, “ muitos morrerão, as crianças sofrerão as consequências da desnutrição por muitos anos e o mundo perderá todo o progresso feito no combate à fome na última década ” , disse ele.



O preço da inação será incrivelmente alto


Este ano, cerca de 138 milhões de pessoas em 83 países dependem do PMA para seu abastecimento alimentar, disse o oficial. Para muitos deles, o organismo humanitário da ONU é a “ última esperança de sobrevivência”.

No Sudão do Sul, 1,6 milhão de pessoas foram adicionadas este ano aos 5 milhões que já precisam de assistência. No Iêmen, o PMA alimenta 13 milhões.

A situação no Líbano tornou-se particularmente sombria após uma explosão devastadora há duas semanas em Beirute. A explosão não apenas destruiu os estoques de grãos, mas também cortou as cadeias de abastecimento porque o porto danificado foi usado para entregar cerca de 85% dos alimentos de que o Líbano precisa.

Beasley pediu aos doadores internacionais que fornecessem fundos adicionais à organização para lidar com o desastre iminente. O PMA precisa de 4,9 bilhões de dólares nos próximos seis meses para manter seus programas humanitários funcionando.

[Strange Sounds]

 
document.querySelectorAll('img').forEach(function(img) { img.src = img.src.replace('/s72-c','/s1600'); });