Primeiro caso de reinfecção por coronavírus confirmado, dizem os pesquisadores. | Resumo.

Um homem em Hong Kong é o primeiro com uma reinfecção confirmada com o novo coronavírus, sugere um novo estudo.(Imagem: © Shutterstock)


Esta pode ser a primeira pista importante para uma pergunta ainda sem resposta sobre a pandemia de COVID-19: Quanto tempo dura a imunidade ao SARS-CoV-2? 

Houve alguns relatos anteriores de possíveis casos de reinfecção em todo o mundo, mas nenhum foi confirmado com testes definitivos, de acordo com o The New York Times. Pessoas que se recuperam do COVID-19 podem liberar fragmentos de vírus por semanas, o que pode resultar em resultados positivos do teste COVID-19, mesmo quando não estão realmente liberando o vírus vivo, de acordo com o The Times.

Um grupo de pesquisadores relatou o caso de um paciente que foi infectado com duas cepas geneticamente diferentes do coronavírus, com meses de intervalo, de acordo com um comunicado à imprensa do Departamento de Medicina da Universidade de Hong Kong. Os cientistas descobriram que o coronavírus que infectou o paciente, um homem de 33 anos de Hong Kong, tinha na segunda vez 24 nucleotídeos diferentes, ou blocos de construção em sua sequência genética do vírus que o infectou na primeira vez. 

Isso provavelmente significa que a pessoa não continuou a liberar o mesmo vírus meses após ser infectada, de acordo com o estudo que acabou de ser aceito, mas ainda não publicado, na revista Clinical Infectious Diseases.

Mas este caso não deve despertar medo generalizado.

"Isso não é motivo para alarme, este é um exemplo clássico de como a imunidade deve funcionar", escreveu no Twitter Akiko Iwasaki, professora de imunobiologia e biologia molecular, celular e de desenvolvimento da Escola de Medicina de Yale.

O paciente que era previamente saudável, foi diagnosticado com COVID-19 em 26 de março. Durante sua primeira infecção, ele apresentou sintomas leves, incluindo tosse, dor de garganta, dor de cabeça e febre por vários dias. Embora seus sintomas tenham diminuído, ele foi hospitalizado no dia 29 de março e recebeu alta no dia 14 de abril depois de fazer dois testes negativos para o vírus.

Quatro meses e meio depois, o paciente estava voltando da Espanha para Hong Kong via Reino Unido e testou positivo para o vírus em uma triagem no aeroporto de Hong Kong em 15 de agosto, de acordo com o relatório. Ele foi hospitalizado novamente, mas não apresentou sintomas. “Embora a imunidade não fosse suficiente para bloquear a reinfecção, ela protegia a pessoa da doença”, escreveu Iwasaki.

Os testes de anticorpos mostraram que o paciente não tinha nenhum anticorpo detectável para o coronavírus quando foi reinfectado, mas desenvolveu anticorpos detectáveis ​​após a reinfecção. 

"Isso é encorajador", escreveu Iwasaki. “Embora este seja um bom exemplo de como a infecção primária pode prevenir a doença de infecções subsequentes, mais estudos são necessários para compreender a gama de resultados da reinfecção”.

Este caso de reinfecção tem "várias implicações importantes", escreveram os autores no estudo. "É improvável que a imunidade de rebanho possa eliminar a SARS-CoV-2, embora seja possível que as infecções subsequentes possam ser mais leves do que a primeira infecção neste paciente." 

O COVID-19 provavelmente continuará a circular na população humana, semelhante aos coronavírus que causam resfriados comuns, escreveram eles.

Outras implicações são que as vacinas podem não ser capazes de fornecer proteção vitalícia contra o COVID-19 e que os estudos de vacinas devem incluir aqueles que se recuperaram do COVID-19, escreveram os autores. 

“O que acho realmente importante é que coloquemos isso em contexto”, disse Maria Van Kerkhove, chefe técnica da Organização Mundial da Saúde para resposta ao coronavírus e chefe da unidade de doenças emergentes e zoonoses, durante uma coletiva de imprensa em Genebra na segunda-feira (agosto 24), de acordo com a CNN. Já houve mais de 24 milhões de casos de COVID-19 relatados em todo o mundo e, portanto, "precisamos olhar para algo assim em nível populacional”.

Van Kerkhove disse que ainda estava analisando o caso, de acordo com o STAT News. "O que estamos aprendendo sobre a infecção é que as pessoas desenvolvem uma resposta imunológica, e o que ainda não está completamente claro é o quão forte é essa resposta imunológica e por quanto tempo ela dura." 

[Livescience]

 
document.querySelectorAll('img').forEach(function(img) { img.src = img.src.replace('/s72-c','/s1600'); });