Se todos os vírus desaparecessem toda a humanidade morreria. | Resumo.


Se todos os vírus desaparecessem o mundo seria muito diferente. 

Mas o que exatamente aconteceria?

Os vírus parecem existir apenas para causar estragos na sociedade e trazer sofrimento à humanidade. 

Eles custaram vidas incontáveis ​​ao longo dos milênios muitas vezes destruindo grande parte da população global desde a epidemia da gripe de 1918 que matou 50 a 100 milhões de pessoas, aos estimados 200 milhões que morreram de varíola apenas no século XX. 

A atual pandemia de Covid-19 é apenas uma de uma série de ataques virais mortais contínuos e intermináveis.

Se tivesse a opção de acenar uma varinha magica e fazer com que todos os vírus desaparecessem a maioria das pessoas provavelmente aprovariam essa oportunidade, especialmente agora. No entanto, isso seria um erro mortal, mais mortal do que qualquer vírus.

"Se todos os vírus desaparecessem repentinamente o mundo seria um lugar maravilhoso por cerca de um dia e meio, e  todos nós morreríamos logo depois", diz Tony Goldberg, epidemiologista da Universidade de Wisconsin-Madison. "Todas as coisas essenciais que eles fazem no mundo superam as coisas ruins."

A grande maioria dos vírus não é patogênica para os seres humanos, e muitos desempenham papéis integrais na sustentação dos ecossistemas. Outros mantêm a saúde de organismos individuais, de fungos e plantas a insetos e humanos. "Vivemos em equilíbrio, em perfeito equilíbrio", e os vírus fazem parte disso, diz Susana Lopez Charretón, virologista da Universidade Nacional Autônoma do México. 

Alguns vírus mantêm a saúde de fungos e plantas (Crédito: Getty Images).

A maioria das pessoas não está ciente do papel que os vírus desempenham no apoio a grande parte da vida na Terra porque tendemos a nos concentrar apenas naqueles que causam problemas à humanidade. 

Quase todos os virologistas estudam apenas patógenos; apenas recentemente alguns pesquisadores intrépidos começaram a investigar os vírus que mantêm a nós e ao planeta vivo em vez de nos matar.

"É uma pequena escola de cientistas que está tentando fornecer uma visão justa e equilibrada do mundo dos vírus e mostrar que existem bons vírus", diz Goldberg.

O que os cientistas sabem com certeza é que sem vírus a vida e o planeta como nós conhecemos deixariam de existir. 

E mesmo que quiséssemos provavelmente seria impossível aniquilar todos os vírus da Terra. 

Mas imaginando como seria o mundo sem vírus podemos entender melhor não apenas como eles são essenciais para nossa sobrevivência, mas também quanto ainda precisamos aprender sobre eles.

Sem vírus o planeta como o conhecemos deixaria de existir (Crédito: Getty Images).

Para começar os pesquisadores não sabem quantos vírus existem. Milhares foram formalmente classificados, mas milhões podem estar lá fora. "Descobrimos apenas uma pequena fração", diz Marilyn Roossinck, ecologista de vírus da Penn State University. 

Os cientistas também não sabem que porcentagem do total de vírus é problemática para os seres humanos. "Se você olhar numericamente seria estatisticamente próximo de zero", diz Curtis Suttle, virologista ambiental da Universidade da Colúmbia Britânica. "Quase todos os vírus por aí não são patogênicos para as coisas com as quais nos preocupamos."

Chave para os ecossistemas

O que sabemos é que os fagos ou vírus que infectam bactérias são extremamente importantes. Seu nome vem do grego phagein  que significa "devorar". "Eles são os principais predadores do mundo bacteriano", diz Goldberg. "Estaríamos em apuros sem eles."

Os fagos são o principal regulador das populações bacterianas no oceano, e provavelmente em todos os outros ecossistemas do planeta. 

Se os vírus desaparecessem repentinamente algumas populações bacterianas provavelmente explodiriam; outros podem ser superados e parar de crescer completamente.

Isso seria especialmente problemático no oceano onde mais de 90% de todo o material vivo em peso é microbiano. Esses micróbios produzem cerca de metade do oxigênio no planeta um processo ativado por vírus.

No oceano, 90% de todo o material vivo é microbiano (Crédito: Getty Images).

Esses vírus matam cerca de 20% de todos os micróbios oceânicos e cerca de 50% de todas as bactérias oceânicas todos os dias. 

Ao separar os micróbios, os vírus garantem que o plâncton produtor de oxigênio tenha nutrientes suficientes para realizar altas taxas de fotossíntese sustentando por fim grande parte da vida na Terra. "Se não temos morte, não temos vida porque a vida depende completamente da reciclagem de materiais", diz Suttle. "Os vírus são tão importantes em termos de reciclagem."

Pesquisadores que estudam pragas de insetos também descobriram que os vírus são críticos para o controle populacional das espécies. Se uma certa espécie fica superpovoada, "um vírus passa e os apaga", diz Roossinck. "É uma parte muito natural dos ecossistemas." Esse processo, chamado “matar o vencedor”, também é comum em muitas outras espécies incluindo a nossa como evidenciado pelas pandemias. "Quando as populações se tornam muito abundantes os vírus tendem a se replicar muito rapidamente e derrubam essa população criando espaço para todo o resto viver", diz Suttle. Se os vírus desaparecessem repentinamente as espécies competitivas provavelmente floresceriam em detrimento de outras.

"Perderíamos rapidamente muita biodiversidade do planeta", diz Suttle. "Teríamos algumas espécies que assumem o controle e expulsam todo o resto."     

Sem vírus, dizem os especialistas, perderíamos muito da biodiversidade do planeta (Crédito: Getty Images).

Alguns organismos também dependem de vírus para sobreviver ou para lhes dar vantagem em um mundo competitivo. 

Os cientistas suspeitam por exemplo que os vírus desempenham papéis importantes em ajudar vacas e outros ruminantes a transformar a celulose da grama em açúcares que podem ser metabolizados e finalmente transformados em massa corporal e leite.

Os pesquisadores também pensam que os vírus são essenciais para manter microbiomas saudáveis ​​no corpo de humanos e outros animais. "Essas coisas não são bem compreendidas, mas estamos encontrando cada vez mais exemplos dessa interação estreita de vírus sendo uma parte crítica dos ecossistemas, seja nosso ecossistema humano ou o meio ambiente", diz Suttle.

Roossinck e seus colegas descobriram evidências concretas que apóiam isso. Em um estudo eles examinaram um fungo que coloniza uma grama específica no Parque Nacional de Yellowstone. 

Eles descobriram que um vírus que infecta esse fungo permite que a grama se torne tolerante às temperaturas geotérmicas do solo. "Quando os três estão lá - vírus, fungos e plantas, as plantas podem crescer em solos muito quentes", diz Roossinck. "O fungo por si só não faz isso."

[BBC]

 
document.querySelectorAll('img').forEach(function(img) { img.src = img.src.replace('/s72-c','/s1600'); });