Novas pesquisas sobre o que acontece quando morremos renderam alguns dados interessantes sobre experiências de quase morte. | Resumo.

A pesquisa, que envolveu uma equipe internacional e multidisciplinar de cientistas, teve como objetivo estudar experiências de quase morte (ou "experiências recordadas da morte (RED)"), além de lançar as bases para futuras pesquisas sobre o assunto.

Os cientistas descobriram que alguns experimentadores pareciam exibir sinais de lucidez, apesar de estarem aparentemente inconscientes, enquanto estudos do cérebro indicavam atividade anômala e picos elétricos indicativos de um estado elevado de consciência no meio de tais experiências.

“Assim, estudos de consciência e lucidez durante a parada cardíaca, PVS [estado vegetativo persistente] e lucidez terminal durante as experiências de fim de vida sugerem que, paradoxalmente, pessoas consideradas como tendo perdido irreversivelmente a consciência podem de fato manter um componente de consciência”, escreveram eles. 

Eles concluíram que a pesquisa realizada até agora não poderia provar nem refutar o fenômeno.

“Poucos estudos exploraram o que acontece quando morremos de maneira objetiva e científica, mas essas descobertas oferecem insights intrigantes sobre como a consciência existe em humanos e podem abrir caminho para mais pesquisas”, disse o líder do estudo, Sam Parnia.

Curiosamente, a pesquisa também destacou a possibilidade de que uma pessoa que morreu possa ser revivida horas ou mesmo dias depois, desde que suas células não tenham se deteriorado muito.

“De uma perspectiva científica, a morte permanece potencialmente reversível enquanto os processos celulares subjacentes não atingirem a irreversibilidade biológica, possivelmente horas a dias no período pós-morte”, escreveram os pesquisadores.

Se isso pode eventualmente ser traduzido em uma maneira prática de ressuscitar alguém que está morto há dias, ainda não se sabe.

[Unexplained]

 
});