As principais publicações mundiais, uma após a outra, começaram a mudar a política de informação sobre os métodos usados ​​pelos governos de diferentes países para combater a epidemia do coronavírus. 

Artigos críticos sobre a eficácia e segurança das vacinações em massa contra COVID-19, ceticismo sobre a eficácia e as consequências socioeconômicas dos bloqueios estão aparecendo cada vez mais na grande mídia.

O editor do popular jornal alemão Die Welt, Stefan Aust, publicou uma mensagem em vídeo no início da semana passada, na qual pergunta sobre a conveniência e a razoabilidade das medidas restritivas tomadas pelo governo alemão durante a pandemia.

“Há um certo ceticismo em relação às medidas governamentais. Até pouco tempo atrás não havia vacinação, mas hoje temos as vacinas e em termos de número de casos de infecção, tudo permaneceu igual”, disse Aust. - "A pandemia é perigosa, mas não podemos seguir em frente no mesmo modo de emergência. Os políticos são os primeiros a sucumbir ao pânico desenfreado. Pode acabar fazendo com que as pessoas parem de acreditar neles.” Stefan Aust , editor do jornal Die Welt

Reforço da vacina vs. Omicron - ceticismo sobre a linha Fauci e o FDA

Paralelamente, apareceu nas páginas do The Wall Street Journal um artigo  sobre a “mensagem perigosa” que o governo dos Estados Unidos dá à sociedade.

“O governo dos Estados Unidos está promovendo vacinações de reforço COVID-19 para adolescentes de 16 a 17 anos sem depender de evidências clínicas. Um grande estudo da população israelense, publicado no The New England Journal of Medicine no início deste mês, mostrou que o risco de morrer de coronavírus para pessoas com menos de 30 anos com duas vacinas é zero”, disse o artigo.

A publicação acusa várias faculdades de coagir à força os alunos a se vacinarem com uma terceira dose: o risco de efeitos colaterais com consequências graves para a saúde após a introdução de uma nova dose para os jovens é bastante alto.

O artigo também fornece estatísticas que indicam um risco sério de doença cardíaca em jovens com menos de 30 anos de idade após a segunda dose dos medicamentos Pfizer ou Moderna, e a política da Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos para vacinação de jovens americanos foi considerada críticas. 

Além disso, manchetes como “Como Fauci e Collins silenciam sobre o debate sobre o coronavírus”, “Omicron não é uma emergência” também aparecem nas páginas do jornal. Essas e outras opiniões divergentes dos autores indicam uma onda cada vez maior de desconfiança e cansaço informacional da monótona política de apoio da mídia central às medidas governamentais de combate ao coronavírus.

O quarto poder perde sua credibilidade

Publicações semelhantes estão começando a aparecer em Die Spiegel, The New York Times, Il Giornale e outras publicações. Nos últimos dois anos, muitos meios de comunicação mundiais tornaram-se claramente não apenas um poderoso instrumento de influência política, mas também o veículo direto e mais rápido para decisões de grupos políticos dirigentes, ajudando a convencer e justificar quase qualquer posição governamental.

A intimidação e a manipulação passaram a fazer parte do trabalho de qualquer publicação do sistema, a discriminação da informação e a promoção da única visão correta do que está acontecendo durante a pandemia do coronavírus atingiram níveis exorbitantes.

[SouLask]

 
});