Franz Westergaard, um arqueólogo amador da Dinamarca, descobriu uma peça única de ouro em um campo perto da vila de Bevling. O brinco foi feito no século 11 em uma técnica especial de esmalte cloisonné. Até o momento, estudos de diferentes países sabem da existência de apenas 10-12 desses brincos, a descoberta foi a primeira na Escandinávia.

O brinco tem forma de meia-lua e é decorado com uma placa de ouro, complementada por contas de ouro e argolas especiais. O produto apresenta tonalidades roxas, verdes e azuis. Foi dividido em partes com fios dourados, o que possibilitou a obtenção de um belo desenho, que retrata dois pássaros que estão em lados opostos da árvore. Decorações semelhantes foram descobertas anteriormente por arqueólogos na Síria, Egito, Bizâncio. Esta amostra é presumivelmente de origem egípcia.

O esmalte cloisonne também foi usado para fazer outro item nos séculos 11 a 12 que pode ser comparado a um brinco. Esta é a cruz de Dagmar, que foi encontrada em uma tumba localizada logo abaixo da Igreja de St. Bendt, que fica em Ringsted. O produto é considerado mais complexo e tem origem bizantina. No século 11, os vikings não podiam usar essa cruz ou brinco como mercadoria, mesmo que pudessem pagar uma despesa razoavelmente grande. Muito provavelmente, eram presentes de dignitários estrangeiros incrivelmente ricos. Talvez a decoração tenha sido apresentada pelo próprio imperador bizantino.

Alguns especialistas acreditam que o imperador deu o brinco a um viking, que servia como guarda-costas.

 
});