O mundo nunca esteve tão conectado. As coisas que compramos, usamos, comemos são geralmente feitas a quilômetros de distância, estatisticamente falando, há uma boa chance de você estar usando algo feito na China agora.

Há quanto tempo você acha que é assim? 

A resposta pode surpreendê-lo: de acordo com um novo estudo publicado na revista Quaternary International, uma peça de armadura de quase 3.000 anos encontrada no cemitério de Yanghai, noroeste da China, pode ter sido originalmente fabricada no Império Neo-Assírio - uma terra que cobriu partes do atual Iraque, Irã, Síria, Turquia e Egito.

A armadura, datada de entre 786 e 543 aC, foi descoberta originalmente em 2013, na tumba de um soldado de 30 anos - mas como ela foi parar lá é um mistério. É o que é conhecido como "armadura de escamas": uma roupa originalmente feita com mais de 5.500 escamas de couro individuais dispostas horizontalmente, muito parecido com o que você ainda pode ver hoje em alguns coletes à prova de bala.

Antes da descoberta de 2013, "nenhuma armadura em escala completa de [qualquer] material foi escavada na vasta área do Mediterrâneo ao Mar Amarelo", explicam os autores, observando que o estilo era "considerado estrangeiro na China". E embora a descoberta de Yanghai mude a situação “dramaticamente”, o estudo observa que ainda é uma descoberta extremamente rara.

“Visivelmente, nenhuma armadura de escama, nem mesmo uma única escama de armadura de couro ou outro material, foi encontrada em qualquer uma das outras 520 tumbas escavadas do cemitério de Yanghai”, apontam os autores. “Tampouco são encontrados achados de armadura de escama em outros sítios arqueológicos do segundo e do início do primeiro milênio AEC, no noroeste da China.”

Mas não é só isso que torna a descoberta notável. É extremamente raro uma armadura sobreviver por tanto tempo. É apenas graças ao clima particularmente árido do noroeste da China que a armadura Yanghai ainda não apodreceu.

[Iflscience]

 
});