A exposição chama-se 'Inferno' e os organizadores escrevem sobre ela:

Uma exposição potente, ambiciosa e espetacular, capaz de transportar o visitante a mundos inesperados graças ao poder das imagens e à profundidade das ideias. Esta é a primeira grande exposição dedicada ao tema do Inferno. Ela falará sobre a presença de motivos infernais na iconografia e reflexões sobre o conceito de Inferno, desde a Idade Média até os dias atuais.

Acompanhados pelas palavras de Dante, os visitantes percorrerão lugares aterrorizantes e visões comoventes do Inferno, apresentadas por artistas de todas as épocas: de cenas medievais esboçadas a criações sublimes do Renascimento e do Barroco, de visões românticas dolorosas a psicanálise implacável na interpretação do século XX.

A jornada ao Inferno nos levará cada vez mais fundo a várias transliterações da experiência do Inferno na Terra: loucura, alienação, guerra, genocídio. Passado o clímax do Mal, a exposição terminará com uma reprodução da ideia de salvação colocada por Dante na última estrofe da Canção: e depois saímos novamente para ver as estrelas.

O roteiro de exposições incluirá mais de duzentas obras de arte emprestadas de mais de oitenta grandes museus, coleções públicas e coleções particulares de prestígio. Em particular, graças a um empréstimo pendente da Biblioteca Apostólica do Vaticano, durante as primeiras semanas da exposição, será possível admirar talvez a obra-prima mais famosa desta iconografia - o abismo de Sandro Botticelli no inferno.

Tal exposição, em um momento tão terrível, é estranha em si mesma, porém o destaque do programa ali é uma obra-prima inacabada de 7 metros de Auguste Rodin, na qual trabalhou por 37 anos. A escultura se chama “The Gates of Hell”, que nesta ocasião foi transportada como uma obra emprestada desde Paris no dia 17 de setembro do Musée Rodin:

O simbolismo do evento não levanta dúvidas, mas o significado que ele carrega podemos apenas adivinhar em termos gerais.

O portão é totalmente coberto com altos-relevos retratando partes da obra de Dante Alighieri, exclusivamente no Inferno. Os paralelos entre o significado simbólico da escultura, ou o reino das trevas, e o que está acontecendo socialmente na Itália apareceram imediatamente nas redes sociais.

Nos últimos dias, foi veiculado nas redes sociais um vídeo do  canal do Youtube “Libreria Esoterica Cavour”  intitulado As portas do inferno do Quirinale, em que se desenrola uma relação hipotética de quase ritual entre a chegada do 'portão' no coração do Cristianismo, chegando mesmo a levantar a hipótese de que o próprio “Diabo” se sentará em Quirinale.

A entrada da escultura em Roma é uma mensagem subliminar bastante explícita? 

Em todo caso, o acontecimento fascina muitos adeptos do esoterismo e alarma os mais fervorosos católicos e religiosos. 

A porta de Rodin para o inferno de Paris é trazida para Roma, o que não é de surpreender na frente do Quirinale. Entre aqueles que têm uma visão mais metafísica deste objeto, e aqueles que o consideram uma simples obra de arte, há espaço para muitas reflexões.

É claro que 15 de outubro é um dia importante para a construção do Inferno na Terra. Também pode-se supor que neste processo as datas de 15.10.21 a 09.01.22 (ou seja, as datas de abertura da exposição) terão algum papel fundamental. 

É até possível que seja em 15 de outubro que os portões do Inferno se abram um pouco, permitindo que o mundo dê uma olhada, após o que em 9 de janeiro de 2022, os portões serão totalmente abertos. 

[SouLask]

 
});