Desde que os cientistas começaram a cultivar minicérebros humanos a partir de células-tronco, esta pergunta sarcástica sempre foi feita: "O que poderia dar errado?" A pergunta recebeu uma resposta na semana passada, quando minicérebros desenvolveram estágios iniciais de olhos embrionários que reagem à luz. 

“Este trabalho demonstra que podemos fazer organoides que se assemelham ao tecido cerebral humano real e podem ser usados ​​para replicar com precisão certas características da função cerebral humana e de doenças”.

A palavra-chave nesse comentário de Bennett Novitch, professor do Centro de Medicina Regenerativa e Pesquisa de Células Tronco Eli e Edythe Broad da UCLA e um dos autores do estudo publicado na revista Nature Neuroscience, é "doença". Os pesquisadores da UCLA não estavam apenas tentando desenvolver minicérebros regulares, mas também minicérebros que tinham uma doença. Uso de células-tronco de pacientes que sofrem de síndrome de Rett - uma doença neurológica genética rara que ocorre principalmente em meninas e leva a deficiências graves. Depois de detectar uma variedade de ondas cerebrais nos minicérebros normais, Novitch e a equipe mudaram-se para os minicérebros dos pacientes com síndrome de Rett. De acordo com o comunicado à imprensa, aqui está o que eles viram:

“Enquanto os organoides pareciam normais em estrutura e organização, suas oscilações neurais eram anormais: eles não tinham a variedade de oscilações demonstrada nos organoides não Rett. Em vez disso, os organoides de Rett tinham atividade rápida e desorganizada, como o que os médicos veem em EEGs de pessoas com síndrome de Rett e distúrbios relacionados.”

Em outras palavras, os minicérebros tiveram convulsões exatamente como as sofridas por pacientes com síndrome de Rett. Eles tentaram tratar as convulsões com uma droga experimental chamada Pifithrin-alfa. E?

“Os padrões de atividade associados às convulsões desapareceram e a atividade neural dos organoides tornou-se mais normal.”

O Dr. Ranmal Samarasinghe, membro do Broad Stem Cell Research Center e primeiro autor do artigo, diz:

“Este é um dos primeiros exemplos tangíveis de teste de drogas em ação em um organoide do cérebro. Esperamos que sirva como um trampolim para uma melhor compreensão da biologia do cérebro humano e das doenças cerebrais.”

Algo deu certo no teste do minicérebro humano. Isso irá satisfazer aqueles que fazem perguntas éticas sobre o desenvolvimento de cérebros humanos em um laboratório? Sem chance. Isso impedirá os distópicos de perguntar "O que poderia dar errado?" Nenhuma possibilidade disso também. Isso deixará felizes os pais de crianças com síndrome de Rett? Inquestionavelmente.

[Mysterious Universe]

 
});