Adolf e Rudolf Dassler, decidiram deixar de lado seu amor fraternal para dar lugar ao ódio.

Esses irmãos alemães foram ferozes em levar suas vidas a uma batalha violenta cuja rivalidade surgiu de suas diferenças ideológicas e surgiu da ambição de transformar suas marcas, Adidas e Puma, nas maiores empresas de calçados esportivos.

OS PRIMÓRDIOS DA ADIDAS E DA PUMA

Foi na década de 1920, quando os irmãos Dassler trabalharam em sua empresa familiar de fabricação de chinelos na cidade bávara de Herzogenaurach, cuja fábrica eles chamaram de “Gerbüder Dassler Schuhfabrik”. Embora seus produtos ainda não tivessem uma marca específica, a qualidade destes era conhecida do então técnico da equipe alemã de atletismo Josef Waitzer.

Naquela época, os dois irmãos se davam muito bem. Adolf, que se chamava Adi, era o virtuoso do design, enquanto Rudolf era melhor em relações públicas. A combinação de seus talentos rapidamente levou os Dassler a colocarem seus chinelos nos pés dos atletas que participaram das Olimpíadas de Berlim em 1936.

Adolf Dassler em sua fábrica de sapatos.

Com o surgimento do nazismo na Alemanha, seus negócios ganharam ainda mais força, já que para o regime o esporte era uma das melhores formas de "melhorar a corrida".

DIVISÃO IDEOLÓGICA

No entanto, o início da Segunda Guerra Mundial confrontou os irmãos em relação às suas ideologias. Hitler ordenou que a fábrica Dassler fosse usada como arsenal, o que fez Adi resistir a entrar nas fileiras militares, enquanto Rudolf decidiu apoiar a causa nazista juntando-se às suas tropas. A partir desse momento, as circunstâncias acabam forçando a separação dos dois irmãos.

No final da guerra, e após um julgamento realizado pelos Aliados para determinar o nível de adesão à ideologia nazista, Adi conseguiu manter a propriedade de sua fábrica. Rudolf, por sua vez, teve que se mudar com sua família para outra área da cidade para estabelecer um pequeno negócio ali, após ser denunciado por seu próprio irmão como seguidor do nazismo.

Com isso, parte dos funcionários (em sua maioria vendedores) saiu com Rudolf, enquanto o restante (equipe de designers) decidiu ficar com Adi. Assim, então, a ruptura produziu o nascimento de duas grandes marcas esportivas: Puma, criada por Rudolf em 1948 e Adidas, fundada por Adi um ano depois.

A partir desse momento, a competição incessante entre Adidas e Puma começaria.

Jesse Owens competiu nas Olimpíadas de Berlim de 1936 com os primeiros tênis Adidas.

O primeiro triunfo dessa disputa comercial foi conquistado por Adi na Copa do Mundo realizada na Suíça em 1954. Seu irmão Rudolf subestimou a habilidade do técnico alemão Sepp Herberger, situação que a Adidas aproveitou para conquistar o contrato que daria a seleção nacional novos tênis com travas ajustáveis ​​projetadas para não escorregar no campo de jogo. Os tênis foram colocados  à prova durante a partida contra a seleção húngara, onde os alemães venceram por 3 a 2 graças à eficiência do calçado.

RIVALIDADE PERMANENTE

O confronto continuou com a próxima geração. Horst, o filho primogênito de Adi e grande promotor da Adidas, usou suas influências para impedir os embarques da Puma e assumir a venda exclusiva de calçados nas Olimpíadas de 1968 no México.

Por outro lado, Armin Dassler, filho de Rudolf, conseguiu destacar sua marca ao fazer com que um jovem e talentoso brasileiro, conhecido como Pelé, usasse um dos modelos da Puma em 1970 para disputar a Copa do Mundo de Futebol no México.

Rudolf Dassler morreu em 6 de setembro de 1976. Seu irmão Adi não compareceu ao funeral e, para tornar mais evidente o distanciamento entre as duas famílias, a Adidas postou uma mensagem que dizia:

Por motivos de piedade humana, a família de Adolf Dassler não fará comentários sobre a morte de Rudolf Dassler.

Adi faleceu quatro anos depois. Nem mesmo estando morto seu ódio cessou, pois seu túmulo ficou o mais distante possível do seu irmão.

Adi e Rudolf Dassler.

A Adidas e a Puma deixaram de ser empresas familiares. Em 1990, a Adidas era propriedade do magnata francês Bernard Tapie. Em seguida, a Puma foi vendida para a multinacional francesa PPR. Atualmente são duas das marcas de equipamentos esportivos mais conhecidas do planeta, fruto de uma rivalidade fraterna entre dois irmãos.

[Grandes Medios]

 
});