Até mesmo uma bolha sem cérebro pode tomar decisões. Crédito da imagem: Nirosha Murugan /

Cientistas da Universidade de Harvard observaram um tipo de bolor limoso que é surpreendentemente inteligente, dada a falta total de cérebro.

A pesquisa - que diz respeito a um tipo de fungo viscoso conhecido como Physarum polycephalum - forçou os cientistas a reconsiderar o que constitui 'desmiolamento'.

Curiosamente, apesar de não ter nenhum "cérebro", descobriu-se que esse organismo em forma de bolha é capaz de cálculos e tomadas de decisão surpreendentemente complexos.

Os pesquisadores do Wyss Institute da Harvard University e do Allen Discovery Center da Tufts University conduziram um experimento projetado para testar sua consciência ambiental.

As descobertas revelaram uma "nova preferência e capacidade de detecção no organismo unicelular", com o molde usando seu corpo como "um conjunto de sensores distribuídos e substrato computacional".

O estudo sugere que mais pesquisas em organismos 'sem cérebro' são necessárias.

"O que é legal sobre o Physarum é que seu comportamento de tomada de decisão é sua morfogênese", disse o autor sênior Mike Levin. "Isso acaba sendo um ponto de intersecção muito bom entre a tomada de decisão no espaço tridimensional, que é o comportamento, e a tomada de decisão no espaço morfológico e padronização."

"Como não temos nenhuma fonte química, podemos realmente ver como essa coisa está pensando, ou o que está usando para pensar", disse a autora do estudo, Nirosha Murugan.

"O que vemos é que em seu pensamento inicial ou estágio de 'buffer', como eu penso sobre isso, ele está usando informações de seu ambiente de um ponto de vista biofísico, puxando ou sentindo o substrato real e, em seguida, processando essa informação e crescendo em direção à deformação de massa mais alta, ou ângulo de deformação."

[Vice]
 
});