A rocha espacial que se chocou contra a Terra no final do Cretáceo, há cerca de 66 milhões de anos, foi inegavelmente devastadora, mas sem ela, a vida em nosso planeta pode ter sido muito diferente.

Um novo estudo de Carlos Jaramillo do Smithsonian Tropical Research Institute, no Panamá, revelou que um dos ecossistemas mais importantes que vemos hoje deve sua existência às consequências do evento que destruiu a maior parte da vida na Terra .

A floresta amazônica - que cobre mais de 5,5 milhões de quilômetros quadrados - era um lugar muito diferente antes da colisão do asteroide.

“Se você voltasse ao dia anterior à queda do meteorito, a floresta teria um dossel aberto com muitas samambaias, muitas coníferas e dinossauros”, disse Jaramillo.

"A floresta que temos hoje é o produto de um evento de 66 milhões de anos atrás."

Existem várias razões possíveis para essa mudança - uma delas é a morte dos grandes dinossauros herbívoros.

As cinzas que caíram também podem ter agido como uma espécie de fertilizante, ajudando certos tipos de plantas a prosperar.

[New Scientist]
 
});