Flashes de relâmpagos que atingem a Terra cerca de 50 vezes a cada segundo criam ondas eletromagnéticas de baixa frequência que envolvem o planeta. Essas ondas, chamadas de ressonâncias de Schumann, podem afetar o comportamento humano, pensam alguns cientistas.

Mantidas pelas 2.000 ou mais tempestades que atingem nosso planeta a cada momento, as ressonâncias de Schumann podem ser encontradas nas ondas que vão até cerca de 60 milhas acima na parte inferior da ionosfera de nossa atmosfera.

Eles ficam lá em cima graças à condutividade elétrica na ionosfera, que apresenta íons carregados, separados dos átomos de gás neutro da área pela radiação solar. Isso permite que a ionosfera capture ondas eletromagnéticas.

Quais são as ressonâncias de Schumann?

As ressonâncias de Schumann circundam a Terra, repetindo a batida que foi usada para estudar o ambiente elétrico do planeta, o clima e as estações. Fluindo ao redor de nosso planeta, as cristas e vales das ondas se alinham em ressonância para amplificar o sinal inicial.

As ondas receberam o nome de Winfried Otto Schumann, em homenagem a seu trabalho seminal sobre ressonâncias globais em meados da década de 1950. Medidas pela primeira vez no início da década de 1960, as ondas de frequência muito baixa (com base em 7,83 Hertz) oscilam entre a energia maior e a menor. A frequência de 7,83 Hz foi chamada de "batimento cardíaco" da Terra. Harmônicos progressivamente mais fracos foram medidos em torno de 14,3, 20,8, 27,3 e 33,8 Hz.

As ressonâncias flutuam com variações na ionosfera, com a intensidade da radiação solar desempenhando um papel importante. À noite, por exemplo, essa parte da ionosfera fica mais fina.

Os hotspots de iluminação do mundo na Ásia, África e América do Sul, cujas tempestades são sazonais e afetadas pela noite ou pelo dia, também influenciam a intensidade da ressonância.

As ressonâncias de Schumann afetam os humanos?

Essas ondas também foram estudadas por seu impacto em humanos. Um estudo de 2006 descobriu que as frequências podem estar relacionadas a diferentes tipos de ondas cerebrais.

Os pesquisadores descreveram "coerência em tempo real entre as variações no espectro de Schumann e da atividade cerebral dentro da banda de 6 a 16 Hz".

Os autores de um artigo de 2016 descobriram que 238 medições de 184 indivíduos ao longo de um período de 3,5 anos “demonstraram semelhanças inesperadas nos padrões espectrais e intensidades dos campos eletromagnéticos gerados pelo cérebro humano e a cavidade ionosférica da terra.

A ressonância de Schumann de 7,83 Hz também foi associada por alguns à hipnose, meditação e até mesmo aos hormônios de crescimento humanos, mas há evidências científicas menos rigorosas dessas conexões neste ponto.

Nossos corpos podem realmente ser afetados por frequências eletromagnéticas geradas por incessantes raios?

Certamente algumas das especulações se aventuram na ciência da nova era. Alguns acreditam que um pico na ressonância pode influenciar pessoas e animais, enquanto uma reversão também pode ser possível, onde a consciência humana pode ser impactada e ela mesma impactar as ressonâncias de Schumann.

Por essa lógica, uma fonte repentina de estresse global que produz tensão mundial seria capaz de alterar as ressonâncias.

[Strange Sounds]

 
});