Remanescentes de um planeta antigo enterrado dentro da Terra podem ser a causa de um ponto fraco no campo magnético.

A armadura geomagnética da Terra tem uma fenda e está crescendo.

Um ponto fraco no campo magnético do nosso planeta, localizado acima do sul do Oceano Atlântico, tem aumentado de tamanho nos últimos dois séculos e está começando a se dividir em dois.

Para quem está no solo, isso não é motivo de preocupação: o campo de proteção continua a proteger o planeta da radiação solar mortal.

Mas a anomalia do Atlântico Sul, como é apropriadamente chamada, afeta satélites e outras espaçonaves que passam por uma área entre a América do Sul e o sul da África. Isso ocorre porque quantidades maiores de partículas solares carregadas vazam pelo campo, o que pode causar mau funcionamento em computadores e circuitos.

A origem desse "dente" crescente, como a NASA o chama, é um pouco misterioso. Mas os cientistas esperam que continue se expandindo.

Essa coisa deve aumentar de tamanho no futuro, disse Julien Aubert, um especialista em geomagnetismo do Instituto de Física da Terra de Paris.

Link para bolhas gigantes dentro da Terra

Aubert acha que o dente pode ter uma conexão com duas bolhas gigantescas de rocha densa enterradas 1.800 milhas dentro da Terra. Por causa de sua composição, as bolhas perturbam o metal líquido no núcleo externo que gera o campo magnético.

Ambas as bolhas são “milhões de vezes maiores do que o Monte Everest em termos de volume, de acordo com Qian Yuan, pesquisador que estuda geodinâmica na Universidade Estadual do Arizona.

A equipe de Yuan acha que as bolhas têm uma origem sobrenatural: depois que um antigo planeta do tamanho de Marte caiu na Terra, ele pode ter deixado esses pedaços para trás.

Pedaços de planeta com 4,5 bilhões de anos na Terra

Quase 2.000 milhas abaixo da superfície da Terra, o ferro girando no núcleo externo do planeta gera um campo magnético que se estende de lá até o espaço ao redor do nosso planeta.

Esse redemoinho é gerado, em parte, por um processo no qual o material mais quente e mais leve do núcleo sobe para o manto semissólido acima. Lá, ele troca de lugar por um material de manto mais frio e denso, que afunda no núcleo abaixo. Isso é conhecido como convecção.

O problema é que algo na fronteira entre o núcleo e o manto, abaixo da África Austral, está causando estragos nessa convecção, enfraquecendo assim a força do campo magnético acima dela.

É plausível, disse Aubert, que uma das bolhas que a equipe de Yuan está investigando seja a culpada.

A pesquisa de Yuan postula que as bolhas são remanescentes de um antigo planeta chamado Theia, que atingiu a Terra na infância há 4,5 bilhões de anos. A colisão ajudou a criar a lua.

O Telescópio Espacial Hubble também passa pela anomalia em 10 de suas 15 órbitas ao redor da Terra a cada dia, passando quase 15% do seu tempo nesta “região hostil, de acordo com a NASA.

[Strange Sounds]

 
});