Aqueles que planejam viajar para o exterior em 2021 podem precisar levar mais do que apenas o passaporte em papel. Como muitos países consideram a liberdade de viajar como prova de imunidade ou teste COVID-19 negativo, o conceito de um chamado passaporte de vacina de algum tipo está sendo sugerido como uma solução internacional para um problema de saúde pública.

O passaporte da vacina da Dinamarca ficará no telefone e servirá essencialmente como documentação de que o portador recebeu uma vacina contra a SARS-CoV-2. Bødskov disse que a Dinamarca será “uma das primeiras do mundo a ter.” A ideia é que este documento digital irá aliviar as restrições de viagem para viajantes internacionais, permitindo-lhes contornar uma quarentena obrigatória, ou talvez evitar ter que fazer um teste COVID-19 antes da partida e na chegada.

Dinamarca não está sozinha

A Dinamarca não é a única a considerar essa solução como um meio de abrir a fronteira e liberar o turismo o mais rápido possível. A Suécia também está considerando implementar seu próprio programa  digital de “passaporte para vacinas”. E este mês, a Estônia anunciou que permitirá que os passageiros que cheguem ao país com um certificado designado de vacinação COVID-19 para evitar requisitos de quarentena. Na segunda-feira, foi  divulgada a notícia de  que Grécia e Israel fizeram um acordo que permitirá que pessoas vacinadas com o chamado “passaporte verde” viajem livremente entre os dois países. 

Detalhes específicos sobre um certificado padronizado comprovando a inoculação ainda estão sendo discutidos, mas as bases estão sendo estabelecidas. Nos Estados Unidos, a Administração Biden emitiu uma ordem  solicitando uma avaliação  da “viabilidade de vincular a vacinação COVID-19 aos Certificados Internacionais de Vacinação ou Profilaxia”.

Certificado de Vacinação Inteligente

O conceito de “passaporte digital para vacinas” ou “passaporte verde” alinha-se com o que a Organização Mundial da Saúde (OMS) está criando, algo que eles chamam de Certificado de Vacinação Inteligente. A OMS reuniu recentemente um grupo de trabalho de especialistas para chegar a um consenso sobre segurança, autenticação e para desenvolver orientações e melhores práticas sobre como e quando esses certificados podem ser usados.

Embora muitos detalhes ainda precisem ser acertados, os especialistas em saúde esperam que um certificado de vacinação digital que permitirá às pessoas contornar as restrições de quarentena e outras barreiras burocráticas será uma parte normal de nossas vidas em um futuro próximo. Litjen Tan, diretor de estratégia da Immunization Action Coalition, disse ao Salon que a OMS provavelmente definirá os padrões do que será aceito globalmente.

Exigir a vacina COVID-19 para reconectar o planeta é uma loucura

Exigir uma vacina para entrar em alguns países não é novidade; prova de vacina contra a febre amarela é necessária para viajar para muitos países da África.  No entanto, exigir que todos ao redor do mundo recebam a vacina COVID-19 para reconectar o planeta seria um empreendimento muito maior.

Tan disse que há prós e contras em digitalizar o certificado da vacina. Um benefício é que uma versão digital de um certificado de passaporte de vacina é mais difícil de manipular e mais fácil de distribuir em massa.

Acho que é fácil criar uma cópia fraudulenta com papel, disse Tan. “Então o segundo [benefício] é a ideia do prazo de validade, não sabemos quanto tempo vai durar a imunidade com a vacina

Certificado de vacina digital para pessoas sem smartphones?

De fato, alguns especialistas temem que consignar um passaporte de vacinação para o smartphone de alguém aumente as preocupações com a equidade.

Os certificados digitais exigem algum tipo de dispositivo digital que você possa usar” , disse Tan. “Não discordo que essa seja a melhor maneira de fazer isso, mas precisamos garantir que as pessoas de menor nível socioeconômico também tenham esse acesso.

Em maio, a Dra. Alexandra Phelan alertou em um artigo no The Lancet que “passaportes de imunidade” concedendo privilégios aos vacinados e imunes poderiam “representar consideráveis ​​desafios científicos, práticos, equitativos e jurídicos.

[Strange Sounds]

 
});