novembro 18, 2019
0

Embora “Coringa” tenha sido elogiado pela maioria dos críticos de cinema “sérios”, algumas fontes da mídia criticaram o filme de todas as formas possíveis,  considerando-o até mesmo “perigoso”. Será que é porque o filme é realmente ruim? Ou porque ele vai contra a agenda delas?

Aviso: spoilers pela frente!

Hoje em dia, os críticos da mídia de massa não avaliam os filmes pelo seu mérito artístico, mas pela direção de sua mensagem política. Para ser considerado "bom", um filme precisa atender a uma lista de critérios da "agenda". Bem, o filme “Coringa” não atende a nenhum critério, e também vai contra a corrente. É uma obra de arte intransigente que é mais parecida com um filme de baixo orçamento do que um sucesso de bilheteria da DC Comics. E, através do seu estudo profundamente perturbador de um personagem fracassado que se transforma em um assassino famoso, o filme fornece uma crítica dispersa da mídia de massa.

Aparentemente, as fontes da mídia não apreciaram as mensagens subversivas no filme e foram rápidas em considerar "Coringa" "problemático". Mesmo antes do lançamento oficial do filme, inúmeros artigos de notícias associavam o filme a "homens brancos zangados" e temiam que o filme iria inspirar imitadores do Coringa, que perpetrariam tiroteios em massa. A julgar pela insistência desses artigos, era como se a mídia de massa estivesse realmente tentando instigar um tiroteio, garantindo uma cobertura imediata e mundial de um evento como esse. Coincidentemente, o filme aborda essa característica exata de manipulação da mídia de massa.

De fato, em várias ocasiões, o filme destaca o papel da mídia de massa na criação e na validação do monstro que é o Coringa. E, em uma escala mais ampla, o filme vincula essa cobertura da mídia a uma revolta das massas que identificam o Coringa como seu herói e líder. De fato, embora o Coringa seja um vilão, o maior vilão do filme é a mídia de massa.

E a mídia de massa da vida real não gostou da crítica.

Crítica da Mídia

Embora a maioria das publicações “sérias” do cinema tenham elogiado "Coringa", fontes da mídia destruíram-no sem sentido. Eles realmente não queriam que as pessoas o assistissem. Aqui estão alguns exemplos:

Uma manchete da VICE

Vulture

The New Yorker

Slate

The Guardian

The Guardian novamente.

Eles não poderiam deixar isso mais claro.

Refinery 29

Como costuma acontecer hoje em dia com novos lançamentos que não "concordam" com a agenda, existe uma grande diferença entre as classificações dos críticos de mídia e dos telespectadores.


Se você gastar um tempo lendo essas críticas, você não deixará de perceber uma imensa insinceridade e hipocrisia de seus autores. Porque, concordando ou não com a mensagem do filme, "Coringa" é, objetivamente, um filme bem construído. É bem filmado, bem atuado e se destaca em qualquer outro critério que os críticos de cinema paguem para analisar. No entanto, toda essa análise objetiva é ignorada porque a mensagem do filme não segue a narrativa vendida diariamente por essas publicações.

É como se os chefes desses críticos de cinema invadissem seus gabinetes e gritassem:


- Escreva um artigo sobre o "Coringa" e diga que é ruim... e perigoso. Destrua!
- Na verdade, tenho outras coisas a dizer sobre esse filme.
- Cale a boca e comece a digitar, seu idiota!


Então, por que exatamente a mídia de massa odeia "Coringa"? Simplesmente porque "Coringa" odeia a mídia de massa.

Piada Sobre Eles

"Coringa" é basicamente sobre Arthur Fleck, o humano por trás da maquiagem. E Arthur é um homem triste e envelhecido cuja vida sempre foi caracterizada por abuso, rejeição e humilhação - todas amplificadas por uma doença mental debilitante.

No entanto, o status de Arthur como vítima eterna muda drasticamente quando dois eventos acontecem em sua vida: ele para de tomar o remédio e, mais importante, obtém uma arma. Depois de ser severamente espancado por três investidores babacas no metrô, Arthur pega sua arma e atira em todos eles.

A mídia imediatamente pega a história e constrói o Coringa como um "herói vigilante" que enfrenta os ricos e poderosos. É claro que ele se diverte com essa atenção quando finalmente consegue uma audiência para sua marca única de “arte performática”. Em uma cena das muitas cenas que enfatizam o papel da mídia de massa na criação de um monstro, Arthur está cercado por pessoas lendo o jornal com o Coringa na primeira página. Logo depois, ele se torna o rosto de uma revolta generalizada na cidade, enquanto legiões de pessoas se revoltam enquanto usam máscaras de palhaço.

A notoriedade do Coringa atinge outro nível devido à mídia de massa. Um popular programa de entrevistas na TV chama Arthur como convidado apenas para tirar sarro das suas stand-ups desastrosas. Arthur entra no palco como Coringa e acaba matando o apresentador (interpretado por Robert DeNiro) ao vivo na TV, provocando uma cobertura massiva da mídia. Isso leva a mais notoriedade e adulação por sua legião de fãs.

É aqui que as coisas se tornam "problemáticas" para a mídia de massa da vida real: os manifestantes no filme, aqueles que adoram o Coringa, estão claramente associados a grupos específicos da vida real. Em várias cenas, os manifestantes seguram cartazes que dizem "Coma os Ricos" e "Resista" - dois slogans que são muito usados ​​em protestos de grupos como o "Antifa", "Occupy Wall Street" e outros. O problema é: as fontes da mídia mencionadas acima são simpáticas a esses movimentos porque são de propriedade das mesmas entidades globalistas. Em suma, isso faz com que eles pareçam ruins.

Uma faixa “Coma os ricos” em 
um protesto estudantil na Áustria.

Cartazes de "Resistir" em um protesto contra Trump 
após sua decisão de restabelecer a proibição de indivíduos
 transgêneros servirem nas forças armadas em 2017.

Portanto, os manifestantes do filme estão associados a movimentos globalistas da vida real. E, enquanto andam por aí usando máscaras de palhaço, saúdam o Coringa - um assassino em massa que não acredita em nada - como seu herói. Tudo isso se deve à mídia de massa que transformou as ações de um homem enlouquecido em algo muito maior. Para piorar as coisas, esses manifestantes mascarados até acabam matando os pais de Bruce Wayne (que acabaria se tornando Batman) bem na frente dos seus olhos.

Considerando essas mensagens, pode-se começar a entender por que fontes como o The Guardian odiaram o filme. Isso vai contra toda a narrativa.

O filme também deixa claro que o Coringa não é, de forma alguma, um herói. Enquanto a maioria das pessoas que ele mata o prejudicou de uma maneira ou de outra, essas pessoas ainda não mereciam uma morte violenta. Além disso, ele mata sua própria mãe.

É, no entanto, na cena final do filme (que acontece imediatamente depois que ele é levantado como herói pelos manifestantes) que o Coringa ascende como um personagem "maligno". Quando o vemos andando no corredor de um hospital com sangue sob os pés, percebemos que ele matou uma doce assistente social que não fez absolutamente nada com ele. O herói dos manifestantes é na verdade um monstro sem coração.

Conclusão

Embora o Coringa seja um vilão dos quadrinhos por excelência, o filme focou em seu lado humano e o retratou como um produto de um ambiente tóxico. O verdadeiro vilão desse filme é a mídia de massa, que deu a ele todo o elogio e atenção que ele sempre desejou - mas somente depois que ele matou pessoas. A mídia transformou Arthur - um ninguém - no Coringa - alguém. E o povo ingênuo, aqueles que consomem meios de comunicação sem discernimento, transformaram esse Coringa em um líder político.

Sendo assim, "Coringa" é então um filme anti-elite e anti-establishment? Na verdade, não. Embora  ele critique a mídia de massa, "Coringa" continua sendo um produto de mídia de massa distribuído por uma grande corporação. A história segue uma tendência mais ampla no entretenimento, onde o protagonista relacionável é realmente o bandido cujas dificuldades passadas de alguma forma justificam cometer atos hediondos de puro mal. Em "Coringa", o assassinato é uma arte performática - é uma experiência catártica e libertadora que geralmente é seguida imediatamente por grandes risadas. Em suma, o filme nos dá mais da narrativa "combater o mal com mais mal" que vem ocorrendo há anos.

No final, "Coringa" oferece um espelho eficaz da sociedade atual. Olhando de volta para aquele espelho está um palhaço triste, mutilado e deprimido que não acredita em nada e precisa de toneladas de pílulas para funcionar corretamente. Nesse ambiente tóxico, esse palhaço só encontra alegria e libertação afundando nas areias movediças do mal e da depravação, sob o constante incentivo da mídia de massa. E, embora esse mal e depravação pareçam lhe trazer glória e justiça, tudo o que ele realmente realiza é destruir toda a humanidade que lhe restou.














Com a Informação Danizudo.

0 Comentários :

Postar um comentário