Megatubarão 2: A verdadeira história por trás do extinto tubarão megalodonte. Mistério Resumo.

 

Megalodon foi o maior tubarão que já existiu. Crédito da imagem: CC BY 3.0 Serge Illaryonov


Otodus megalodon, o maior tubarão de todos os tempos, há muito tempo captura a imaginação de paleontólogos e do público em geral. O fascínio científico surge da enormidade de seus dentes fossilizados. Tão grandes quanto mãos humanas e serrilhadas como facas de cozinha, eram usadas para abater baleias.


Este gigantesco predador foi impulsionado ainda mais para o centro das atenções através da cultura popular. Em nenhum lugar o megalodonte causou tanto impacto quanto seu papel principal em Megatubarão, de 2018, e o mais recente Megatubarão 2.


Adaptado do romance best-seller Meg: A Novel of Deep Terror de Steve Alten, o Megatubarão conta a história de um grupo de cientistas que descobre o megalodonte que vive na Fossa das Marianas, no oeste do Oceano Pacífico.


Biologia do Megalodonte e representação cinematográfica


No filme o Megatubarão é retratados em tamanhos exagerados de 27 metros (88 pés). Nas descobertas científicas mais recentes, o tamanho do dente do Magalodonte é estimado em um tamanho máximo de 20 metros (65 pés) de comprimento, o tornando um dos maiores predadores que já existiram, esse tubarão estava em toda parte. Seus dentes fósseis ocorrem em formações geológicas em seis continentes que datam de 20 milhões de anos durante as épocas do Mioceno e Plioceno (23 milhões de anos atrás a cerca de 3 milhões de anos atrás).


Curiosamente, algumas dessas formações eram habitats rasos com muitos pequenos dentes de Megalodonte: sinais reveladores de berçários onde os bebês foram deixados para crescer com muita comida e proteção contra predadores. Um desses locais é a Formação Gatun do Panamá, que é referenciada no filme Megatubarão.


Desvendar a ecologia predatória do Megalodonte a partir de fósseis é ainda mais interessante.


Seus dentes enormes deixaram para trás ferimentos desagradáveis ​​em baleias que foram vítimas de sua enorme mordida, incluindo até cachalotes. Usando modelagem 3D em torno de uma coluna de 140 vértebras, os pesquisadores fizeram cálculos do volume do estômago que sugerem que o Megalodonte poderia comer predadores do tamanho das orcas de hoje em apenas algumas mordidas.


Análises químicas recentes de dentes também produziram descobertas convincentes. Os valores dos isótopos de nitrogênio do Megalodonte são excepcionalmente altos, indicando que ele estava mais alto na cadeia alimentar do que qualquer predador marinho vivo. Em resumo, o Megalodonte era o ápice dos predadores oceânicos.


Os isótopos de oxigênio em fósseis demonstram temperaturas corporais mais altas do que o ambiente circundante. Isso indica mesotérmica - uma capacidade de manter altas temperaturas corporais observadas em apenas algumas espécies, como grandes tubarões brancos, tubarões mako e tubarões-frade.


A mesotérmica aumenta a velocidade de natação, permitindo que um Megalodonte viaje mais rápido e mais longe, aumentando suas chances de encontrar presas. Esse estilo de vida ativo teria forçado o Megalodonte a comer mais comida - cerca de 98.000 kcal todos os dias - para justificar seu tamanho. Como tal, a perda de seus habitats costeiros e presas associadas teria limitado a ingestão de alimentos e possivelmente a levado à extinção de fome 3 milhões de anos atrás.


Uma história melhor para os tubarões


Infelizmente, representações da mídia como essa podem gerar teorias de conspiração bizarras de que os Megalodontes ainda estão vivos. É claro que isso é um absurdo, mas não é necessariamente culpa do filme. Documentários falsos usando atores como cientistas são muito mais culpados do que um filme bobo de Hollywood.



FONTE

0 Comentários :

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Postagem mais recente Postagem mais antiga
 
});