O estranho caso de Mary Toft, a mulher que deu à luz coelhos. Mistério Resumo.


 Mary Toft orquestrou uma farsa meticulosa, mas o sofrimento que ela experimentou foi real.


Em 1726, uma mulher humilde e analfabeta chamada Mary Toft deixou Londres em estado de perplexidade. Ela conseguiu enganar os mais conceituados médicos e cientistas, e até o próprio rei da cidade, fazendo com que todos acreditassem que ela poderia dar à luz a coelhos.


Embora ninguém em sã consciência desejasse tal habilidade, era inegável que havia captado a atenção geral. E, de fato, Toft cumpriu essa promessa, fez isso 17 vezes, gerando um espetáculo que deixou o país sem palavras por vários meses. Isso, é claro, até que seu engano fosse descoberto.

Hoje, Mary Toft é apenas um pequeno lembrete nos cantos mais inusitados da história. Tornou-se um item anedótico, um fato curioso para uma conversa casual, uma peculiaridade, um exemplo de que as pessoas do século XVIII devem ter sido diferentes de nós de alguma forma crítica e absurda.

O caso também se revelou irresistível para os artistas contemporâneos. Nesta impressão satírica, William Hogarth zomba da incompetência da profissão médica do início do século XVIII. Todos os personagens principais da saga Toft são apresentados, mostrando os médicos como tolos ignorantes e crédulos.


Quem foi Mary Toft?


Mary Toft, cujo nome de nascimento é Mary Denyer, nasceu em 1703 em Godalming, Surrey, a cerca de 60 quilômetros de Londres. Godalming era uma das partes mais pobres do condado, de acordo com um artigo de 2018. Aos 17 anos, ela se casou com Joshua Toft, um trabalhador têxtil de 18 anos, e logo tiveram dois filhos.

Todas as manhãs, Mary Toft caminhava duas horas para trabalhar em um campo de lúpulo, uma rotina bastante exaustiva em uma vida já exaustiva.

O começo do engano

Toft tinha apenas 25 anos quando deu à luz sua primeira abominação. O golpe começou em 27 de setembro de 1726. Ela havia sofrido um aborto espontâneo no mês anterior, ocorrência comum entre camponesas grávidas no século 18, que eram obrigadas a continuar trabalhando no campo durante a gravidez.

Mary Toft, coelho na mão. (Biblioteca Wellcome, Londres)


Alegadamente, ela deu à luz vários pedaços de carne, que poderiam ser uma placenta malformada. Mas este último "nascimento" não parecia humano. A família de Toft ligou para o obstetra local, John Howard, que a ajudou a dar à luz o que ele descreveu como três patas de um gato malhado e uma perna de coelho: as entranhas eram como as de um gato e nelas havia três pedaços de espinha de enguia.

Em um dia particularmente produtivo, de acordo com Niki Russell, das coleções especiais da Universidade de Glasgow, Toft supostamente deu à luz nove coelhinhos mortos.

Fascinado pelo que parecia ser um fenômeno sobrenatural, Howard escreveu aos mais reverenciados médicos e cientistas da Inglaterra, bem como ao secretário do rei George I. O monarca enviou dois homens para investigar: Nathaniel St. André, seu cirurgião e anatomista suíço, e Samuel Molyneux, secretário do Príncipe de Gales.

Mary Toft já havia se tornado uma celebridade local e foi transferida de Godalming para Guildford, uma cidade maior onde Howard exercia seu ofício. Sempre que Toft dava à luz um coelho, Howard rapidamente o pegava e guardava em uma jarra em uma prateleira em seu escritório.

Os nobres chegaram em 15 de novembro para descobrir, muito convenientemente, que Toft acabara de dar à luz seu décimo quinto coelho morto. St. André e Molyneux mais tarde testemunharam o nascimento de mais um par.

Explicando o inexplicável: uma mulher dando à luz coelhos?

A inspeção dos coelhos sugeriu, sem surpresa, que eles não poderiam ter gestado no corpo de Toft. Alguns pareciam ser fetos, enquanto outros tinham cerca de três meses de idade.

Uma cena de The Doctors in Labor, um poema ilustrado de 1726 sobre o escândalo Toft.

A farsa cai

Durante sua estada em Londres, Mary Toft não deu à luz mais coelhos e parece ter ficado muito doente. Mas foi aqui que ela foi pega, quando um porteiro foi descoberto escondendo um coelho em seu quarto. Ele confessou a Douglas que a cunhada de Toft, Margaret, havia pedido a ele para pegar o menor coelho que pudesse encontrar.

Toft resistiu em confessar até que Manningham ameaçou fazer uma cirurgia para verificar se havia órgãos reprodutivos anormais. Finalmente, em 7 de dezembro, ele revelou a verdade.

Nathaniel St. André, o desgraçado médico coelho real.


Embora a confissão não tenha surpreendido a muitos, veio em um momento particularmente inconveniente para St. André, que acabara de publicar sua fascinante e supostamente "autêntica" exposição, Uma Breve Narrativa de uma Extraordinária Entrega de Rabbets, apenas quatro dias antes. Como é evidente, sua carreira nunca mais foi a mesma.

Embora os nascimentos de coelhos tenham sido uma farsa, a dor que Mary Toft experimentou foi real. Segundo suas confissões, o truque baseou-se em um cúmplice inserindo partes de animais mortos em sua vagina, um processo doloroso, difícil e perigoso.

Os primeiros relatórios de St. André revelaram que os coelhos de Toft costumavam ser entregues com suas garras afiadas intactas. Como esses restos de animais provavelmente ficaram escondidos no corpo de Toft por várias semanas, Harvey comenta:

É surpreendente que ela não tenha morrido de uma infecção bacteriana.

Naquela época, os coelhos eram facilmente acessíveis e também simbolizavam o descaso da nobreza, segundo Harvey. Na Grã-Bretanha medieval, os coelhos viviam em tocas construídas pelos senhores locais, que vendiam sua carne e pele como artigos de luxo. Frequentemente, esses coelhos escapavam para se alimentar nos pastos e jardins dos plebeus.

Como aponta Harvey:

Os coelhos dos proprietários eram vistos como uma praga para as pessoas de status inferior nas áreas rurais. Portanto, acho que a escolha dos coelhos pode ter um significado político.

É difícil determinar por que Mary Toft executou esse engano perigoso e bizarro, mas Harvey não acredita que Toft tenha sido a única responsável, observando que:

Ela era uma jovem extremamente pobre de uma pequena cidade, que foi trazida para Londres, sempre escoltada e vigiada por homens da aristocracia, proprietários de terras e nobres. Acho que ela estava apenas interpretando o papel principal em uma performance apresentada por outras pessoas.

Em suas confissões, Toft repetidamente colocou a culpa nos outros: seu marido, sua sogra e até a esposa de um tocador de realejo local.

Quando a farsa foi exposta, os jornais se vangloriaram, principalmente ridicularizando profissionais médicos renomados.

Como Russel aponta:

Foi o grande escândalo mediático de 1726 a 1727. Sem dúvida contribuiu para manchar a reputação dos médicos como profissão.

No entanto, Mary Toft não ficou impune.

Em 9 de dezembro, ela foi acusada de ser uma "notória e vil impostora" e presa na Prisão de Bridewell por quatro meses. Multidões de pessoas vieram admirar sua cela de frente para a rua. Por fim, ela foi libertada sem acusações e desapareceu na escuridão.

William Hogarth's Credulity, Superstition, and Bigotry, uma dramatização do julgamento de Toft publicada em 1762.


Mas seu lugar na história estava garantido.

Quando ela morreu em 1763, aos 60 anos, a paróquia a registrou como "Mary Toft, viúva, a impostora do coelho".

O caso Toft continua a gerar fascínio. Russell recebe muitas perguntas sobre isso de pessoas que visitam a Biblioteca de Glasgow. Também é um assunto bastante popular na Wellcome Library de Londres, que recentemente teve uma instalação de arte inspirada nela.

A imagem mais reconhecida de Mary Toft é uma gravura do famoso satírico William Hogarth. Em "Cunicularii" - um trocadilho com as palavras latinas para "coelho" (cuniculus) e "vulva" (cunnus) - Hogarth retrata o corpo de Toft em trabalho de parto, cercado por médicos. É uma cena dramática, mas não é lisonjeira. Hogarth queria satirizar a credulidade dos profissionais médicos da época, muitos dos quais buscavam a fama por meio de casos tão bizarros.

Em abril de 1740, Mary foi acusada de receber mercadorias roubadas e enviada para a Casa de Correção em Guildford, mas posteriormente foi absolvida pelo júri. Ele morreu em 13 de janeiro de 1763.


[Grandes Medios]




0 Comentários :

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Postagem mais recente Postagem mais antiga
 
});