É realmente possível uma pessoa entrar em combustão espontânea? Crédito da imagem: sxc.hu

Precisamente o que aconteceu com Sarah Morley, que foi encontrada queimada em 1902, ainda permanece um tópico de debate.

O caso aterrorizante ocorreu na Inglaterra em maio daquele ano, quando um policial, que estava passando pela casa de Morley, notou uma fumaça lá dentro e rapidamente entrou na propriedade para verificar.

O que ele encontrou para sua surpresa apesar de uma sala que parecia intocada pelo fogo, foi uma pilha de cinzas e um monte de roupas queimadas no chão.

Uma investigação posterior revelou que as cinzas eram de fato os restos mortais da Sra. Morley.

Mas como seu corpo poderia ter sido incinerado com tão intenso calor e ferocidade dentro de uma sala cheia de móveis macios sem incendiar mais nada?

Na época, era considerado plausível que a Sra. Morley tivesse, por processos desconhecidos, queimado até a morte em um caso de combustão humana espontânea.

"Parece provável que as roupas da mulher tenham pegado fogo", escreveu Ernest George Archer em um artigo para o British Medical Journal na época. "Mas como explicar a cremação absoluta de um corpo no meio de uma sala cheia de móveis?"

Um caso semelhante relatado alguns anos antes também foi destacado, novamente envolvendo uma mulher idosa que estava morando sozinho e cujo corpo foi incinerado, apesar de nenhum outro dano causado pelo fogo no quarto.

O fenômeno continua a deixar as autoridades perplexas.

Embora a ciência moderna tenha oferecido pelo menos algumas teorias, o fenômeno da combustão humana espontânea continua a ser uma adição particularmente assustadora aos anais do inexplicável.

[epd24.co.uk]
 
});