A verdade sobre os julgamentos das bruxas em Salem, que é ainda mais aterrorizante do que a lenda, será revelada por meio de uma exposição especial no Museu Peabody Essex, escreve a colunista Katie White nas páginas da ARTnews em 30 de setembro.

“Os julgamentos de bruxas se tornaram um dos capítulos mais sombrios da história do colonialismo norte-americano: na primavera de 1692, três meninas em Salem, Massachusetts, declararam que estavam possuídas pelo diabo e acusaram várias mulheres locais de bruxaria. As acusações geraram uma onda de pânico na sociedade colonial puritana e, em poucos meses, mais de 200 pessoas foram indiciadas. Cinco homens e 16 mulheres foram enforcados por engano”, escreve o colunista.

Mesmo 300 anos depois, os julgamentos das bruxas em Salem continuam presos na imaginação popular. A nova exposição “The Salem Witch Trials” no Museu de Salem revelará um novo período sensacional e descreverá como esses eventos se desenvolveram na vida real, bem como o que conecta e justapõe essas realidades do século 17 com o ressurgimento moderno das bruxas na cultura.

Ao entrar na exposição, os visitantes ficam imersos no passado graças às inúmeras fontes primárias relacionadas a ações judiciais e cobranças (os documentos podem ser consultados no site do museu).

Como você sabe, nos meses anteriores as condições na colônia eram terríveis: frio severo, falta de combustível, o recente surto de varíola, instabilidade política e confrontos com tribos indígenas locais geraram grande tensão e tornaram “feiticeiros” bodes expiatórios, explica o artigo.

Entre os documentos do julgamento estão testemunhos em defesa de John e Elizabeth Proctor, um proprietário de terras local e sua esposa, ambos condenados à morte por bruxaria. Uma carta em defesa dos Proctors foi assinada por 32 de seus vizinhos - um gesto ousado considerando que muitas pessoas, incluindo John Proctor, foram indiciadas após atuarem como defensores dos Proctors, mas a carta não afetou o destino da família em nenhum caminho.

Dez anos depois dos julgamentos, os tribunais os consideraram injustos e, em 1711, os descendentes dos enforcados começaram a receber indenizações.

Uma seção fascinante da exposição é dedicada a Elizabeth Howe, uma das primeiras mulheres a ser enforcada por bruxaria em julho de 1692. Ela também foi ancestral do falecido estilista Alexander McQueen. McQueen chamaria sua coleção outono / inverno de 2007 de “Tribute to Elizabeth Howe, 1692”. A exposição apresenta um desses vestidos, no qual a estilista escocesa reinterpretou os símbolos tradicionais da feitiçaria e do paganismo, transformando-os em algo como amuletos de alfaiataria para mulheres.

Os registros do julgamento de Howe são assustadores. Um documento, intitulado “The Interrogation of Elizabeth Howe, 31 de maio de 1692,” e escrito em script enigmático, transcreve as acusações feitas por Mercy Lewis, Mary Walcott e Ann Putnam, incluindo como Howe sufocou usando bruxaria.

A resposta de Howe é desafiadora e clara: “Deus sabe de uma coisa, não sou inocente de nada”, ela diz em uma passagem, e depois diz que nem conhece as mulheres que a acusam.

"Você não viu fantasmas?" O réu é questionado.

“Não, nunca na minha vida”, ela responde.

“Os que confessaram nos dizem que usaram imagens e alfinetes, agora nos diga o que você usou”, insistem os juízes, pressionando-a a confessar sua feitiçaria.

“Você quer que eu confesse o que não sei”, argumenta Howe.

Uma das acusadoras de Howe, Ann Putnam, acusou cerca de 62 pessoas de bruxaria naquele ano. No museu você pode ver um tear de cinto de madeira pertencente a Rebecca Putnam, uma parente de Ann. Embora a família Putnam estivesse entre os acusadores mais ativos, o próprio tear contém entalhes folclóricos associados à magia e ao ocultismo.

A exposição inclui uma obra contemporânea do fotógrafo Francis F. Denny, Major Arcana: Portraits of Witches in America. Esta é uma série de 13 retratos de mulheres que hoje se identificam como bruxas. As mulheres complexas que Denny representa são descritas nos ensaios que as acompanham, descrevendo suas práticas mágicas. A própria Denny é descendente tanto da vítima de processos judiciais quanto de Samuel Sewell, o juiz que incitou a mania pública.

Dan Lipkan, co-curador do Julgamento das Bruxas de Salem, disse que vê a exposição como um alerta contra o pensamento coletivo do pânico, do qual nenhuma época está imune.

“Esta exposição é oportuna porque hoje continuamos a testemunhar a injustiça e podemos aprender com os julgamentos das bruxas de Salem, mostrando grande tolerância, indulgência e caridade”, resume o objetivo da exposição Lipkan.

[SouLask]

 
});