Um novo artigo apresentou uma nova teoria radical para explicar misteriosas estruturas magnéticas no céu.

De acordo com a Dra. Jennifer West, Pesquisadora Associada do Instituto Dunlap de Astronomia e Astrofísica, duas estruturas enigmáticas que vemos em lados opostos do céu - o esporão polar norte e a região do ventilador - estão de fato conectadas por uma vasta rede cósmica de filamentos magnéticos.

Esses filamentos, ela argumenta, formam um "túnel" que circunda todo o sistema solar.

“Se olhássemos para o céu, veríamos essa estrutura em forma de túnel em quase todas as direções que olhássemos”, diz ela. "Isto é, se tivéssemos olhos que pudessem ver a luz do rádio."

Por décadas, os cientistas ficaram intrigados com a natureza dessas duas estruturas; no entanto, esta é a primeira vez que alguém consegue mostrar que elas podem de fato estar conectadas.

"Há alguns anos, um de nossos co-autores, Tom Landecker, me contou sobre um artigo de 1965, dos primeiros dias da radioastronomia", disse West.

"Com base nos dados brutos disponíveis neste momento, os autores (Mathewson e Milne), especularam que esses sinais de rádio polarizados poderiam surgir de nossa visão do Braço Local da galáxia, de dentro dele."

"Esse artigo me inspirou a desenvolver essa ideia e vincular meu modelo aos dados muito melhores que nossos telescópios nos fornecem hoje."

De acordo com suas descobertas, este enorme 'túnel' magnético no espaço poderia ter cerca de 1.000 anos-luz de diâmetro - uma estimativa que parece consistente com os dados existentes sobre as estruturas interconectadas.

Do jeito que as coisas estão, suas descobertas exigem mais confirmação, mas os resultados são tentadores.

"Quando Jennifer me apresentou isso pela primeira vez, pensei que era muito 'exagerado' para haver uma explicação possível".

"Agora estou animado para ver como o resto da comunidade astronômica reage."

[Alerta Científico]
 
});