A mudança climática pós-nuclear ameaçaria os suprimentos globais de alimentos e a saúde humana. Essas conclusões foram feitas por cientistas da Rutgers University. Os resultados da pesquisa são publicados no  Journal of Geophysical Research - Atmospheres.

Uma guerra nuclear não levará apenas a muitas mortes. A fumaça dos incêndios resultantes também causará mudanças climáticas por até 15 anos. Isso colocaria em risco a produção global de alimentos e a saúde humana.

No novo estudo, os cientistas usaram um modelo climático moderno pela primeira vez para modelar os efeitos da fumaça das guerras nucleares regionais e globais sobre o ozônio atmosférico.

Por exemplo, uma guerra nuclear regional entre a Índia e o Paquistão produziria pelo menos 5 megatons de fuligem. No caso de uma guerra global entre os Estados Unidos e a Rússia, seriam 150 megatons de emissões. 

O aquecimento estratosférico e outros fatores reduziriam a camada de ozônio em 15 anos, com perdas máximas de 75% no mundo e 65% nos trópicos. Levaria pelo menos dez anos para restaurá-lo. 

Isso resultaria em mais radiação ultravioleta atingindo a superfície da Terra. Não só ameaçaria a saúde humana ao causar catarata e câncer, a redução da camada de ozônio e mais a radiação ultravioleta afetariam negativamente a agricultura e a pecuária. 

Isso poderia interromper o fornecimento de alimentos. Em última análise, após uma guerra nuclear, a humanidade enfrentaria uma fome de proporções inimagináveis por 15 anos, concluem os cientistas.

Quais são as chances de a humanidade sobreviver após uma guerra nuclear?

Há uma crença generalizada na cultura popular de que uma guerra nuclear provocará a morte da civilização. Pela primeira vez, o roteiro do Armagedom foi descrito pelo escritor de ficção científica Paul Andresen em 1947 na obra “Tomorrow's Children”. A ideia tornou-se incrivelmente popular e mais tarde até os principais físicos americanos e soviéticos concordaram.

Argumentou-se que aquelas pessoas que não morrerem nas primeiras horas de explosões e radiação, inevitavelmente se tornarão vítimas de terremotos, furacões e tsunamis. Finalmente, a humanidade será destruída pelo inverno nuclear, que veio devido ao acúmulo de fuligem e poeira na atmosfera.

Hipoteticamente, os ataques nucleares serão realizados em cidades inimigas densamente povoadas. Uma poderosa arma termonuclear nivelará todos os edifícios até o solo e derreterá a superfície, bloqueando assim os materiais combustíveis. Essas explosões não causarão incêndios prolongados e emissões de fuligem.

Segundo o cientista britânico Fred Singer, incêndios florestais extensos são muito mais perigosos para o planeta, mas ninguém vai desperdiçar ogivas para esses fins.

Em 1991, os Estados Unidos acidentalmente conduziram um experimento atacando o Iraque. O governo de Hussein incendiou 600 poços de petróleo, na esperança de minar a atmosfera e reduzir a temperatura global em 5-10 ° C. Os poços estiveram em chamas por muitos meses, mas não houve efeito no clima.

Além disso, em mais de 80 anos de testes de armas nucleares, cerca de 2.000 ogivas foram detonadas. No entanto, nada de catastrófico aconteceu: a temperatura não caiu, não foram notados terremotos e furacões. O conceito de um inverno nuclear foi dissipado.

Segundo os pesquisadores, os atuais estoques de armas nucleares não serão suficientes para destruir nem mesmo um décimo da humanidade.

Para ogivas modernas, o principal fator de dano é a onda de choque e a radiação de luz. Para conseguir a maior destruição, eles serão explodidos a uma altitude de 1,5 km da superfície da Terra.

A área aproximada de destruição em uma explosão nuclear de megaton é de 176,5 km². Quase 14 dessas bombas terão que ser detonadas para destruir Moscou. Para não mencionar o resto das cidades da Rússia e do mundo.

A radiação é transportada por poeira e vento. Mas quanto maior a explosão, menor a concentração de precipitação radioativa. Por sua vez, se você detonar uma bomba mais perto do solo, devido à paisagem, a onda de choque perderá força.

Mais importante ainda, a precipitação radioativa não é uma ameaça de longo prazo. Um bom exemplo é Chernobyl. Em termos de contaminação radioativa, era equivalente a cerca de 40 ogivas nucleares modernas. No entanto, a região não se transformou em um deserto. Pelo contrário, hoje é a região mais rica da Europa em flora e fauna.

E quanto às pessoas? Os Estados Unidos e a Rússia têm, cada um, 1.500 ogivas prontas para uso. Todas as cidades russas abrigam 109 milhões de pessoas. Nos EUA - 250 milhões. Porém, nenhuma das partes vai explodir todos os assentamentos, porque a ênfase será nas instalações industriais. Também vale a pena considerar a defesa antimísseis, que protegerá muitas cidades.

De acordo com pesquisadores dos Estados Unidos, na melhor das hipóteses, um ataque de míssil russo mataria até 100 milhões de americanos. Isso não afetará a população humana em geral de forma alguma.

O cenário de uma guerra nuclear continua assustador e perigoso para o planeta; nem um único país desenvolvido e nem uma única pessoa racional no mundo deseja implementá-lo.

[SouLask]

 
});