Encontrar evidências de vida antiga em Marte pode ser mais complicado do que pensávamos. 

O rover Curiosity da NASA, descobriu que as evidências de vida antiga no Planeta Vermelho podem ter sido apagadas.

Não há nenhum lugar além da Terra mais tentador na busca por evidências de vida alienígena antiga do que Marte - um mundo que já foi muito parecido com o nosso próprio planeta, com oceanos, lagos e rios.

Embora hoje seja um lugar árido e desolado, os cientistas há muito esperam que as evidências de seu passado aquático - e dos organismos que podem ter prosperado naquela época - ainda possam ser encontradas lá.

Agora, porém, um novo estudo revelou que pelo menos algumas das evidências potenciais de vida passada em Marte podem ter sido apagadas por meio de processos geológicos que podem ser comuns em todo o planeta.

A argila é frequentemente vista como um material valioso na busca por evidências de vida - tanto porque se forma quando os minerais rochosos se desintegram após o contato com a água, quanto porque também é boa na preservação de fósseis microbianos.

Quando a Curiosity recentemente coletou amostras de lamito antigo no local de um leito seco, alguns continham significativamente menos minerais de argila do que seria de se esperar.

Os cientistas agora acreditam que a salmoura - que é essencialmente água muito salgada - pode ter vazado para as camadas de argila e as desestabilizou, eliminando possíveis sinais de vida biológica.

"Costumávamos pensar que uma vez que essas camadas de minerais de argila se formaram no fundo do lago na cratera Gale, elas permaneceriam assim, preservando o momento em que se formaram por bilhões de anos", disse o autor principal do estudo, Tom Bristow.

"Mas salmouras posteriores quebraram esses minerais de argila em alguns lugares - essencialmente redefinindo o recorde de rocha."

[Live Science]
 
});