Cinturão de asteroides é mais do que aparenta. Crédito da imagem: Google 

Cientistas da NASA identificaram dois asteroides incomuns entre Marte e Júpiter que não deveriam estar lá.

Descobertas pela Agência Japonesa de Exploração Aeroespacial, as duas rochas espaciais são conhecidas como 203 Pompeja (110 km de largura) e 269 Justitia (55 km de largura).

Esses objetos em particular se destacaram porque refletem mais luz vermelha do que seus vizinhos, devido ao aumento dos níveis de materiais orgânicos complexos, como carbono e metano.

Objetos como esses não deveriam estar no cinturão de asteroides entre Marte e Júpiter e, em vez disso, são muito mais comuns entre os objetos transnetunianos do sistema solar externo.

Os cientistas agora acreditam que sua presença no cinturão de asteroides é um testemunho do caos que se seguiu durante os primeiros dias do sistema solar e que eles provavelmente foram colocados em uma órbita diferente pelos movimentos e forças gravitacionais dos planetas maiores durante aquele tempo.

"Para ter esses compostos orgânicos, é necessário inicialmente ter muito gelo na superfície", disse o pesquisador Michael Marsset. "Portanto, eles devem ter se formado em um ambiente muito frio."

"Então, a irradiação solar do gelo cria esses compostos orgânicos complexos."

[Independent]
 
});