Os cientistas realizaram uma análise minuciosa dos fluxos de lava antigos na Escócia e descobriram que o campo magnético fica mais fraco regularmente e depois se reforça novamente. 

Não é segredo para ninguém que o campo magnético protege nosso planeta da perigosa radiação cósmica. Uma nova pesquisa mostrou que essas mudanças ocorrem em ciclos específicos. Os cientistas conseguiram rastrear os últimos 500 milhões de anos de existência de um campo magnético com a ajuda de lava.

Louise Hawkins observou que as mudanças ocorrem a cada 200 milhões de anos. A razão para isso são certos processos ocorrendo dentro do planeta. Os cristais minerais dentro da lava foram estudados e foi possível determinar em que estado se encontrava o campo magnético durante sua formação inicial.

A camada protetora mais fraca da Terra se formou entre 332 e 416 milhões de anos atrás. 

Por exemplo, durante o período do dipolo Paleozóico Médio, a força do campo magnético era apenas um quarto dos valores usuais.

Este estudo levou à conclusão de que existe um determinado ciclo, cuja duração é de 200 milhões de anos. Os cientistas enfatizaram que a análise dos fluxos de lava desempenha um papel muito importante. Assim, foi possível conhecer o estado do campo protetor do planeta antes do início de um período mais estável, denominado supercron de Kiman.

[Planeta]

 
});