Um grupo de cientistas da Universidade do Arizona recentemente apresentou o plano na Conferência Aeroespacial do Instituto de Engenheiros Elétricos e Eletrônicos.

Pode soar como ficção científica, mas a ideia não é tão rebuscada.

O autor do estudo, Jekan Thanga, engenheiro mecânico da Universidade do Arizona, explicou:

“A Terra é naturalmente um ambiente volátil, se a civilização humana entrar em colapso, isso poderia ter um efeito negativo em cascata sobre o planeta.”

Uma série de coisas (como uma erupção vulcânica, uma bomba nuclear ou um asteroide, entre outros) poderia desencadear algum tipo de colapso ambiental que poderia acabar com a diversidade da vida na Terra, tanto vegetal quanto animal.

Um salto na lua poderia manter uma cópia dessas formas de vida seguras

Thanga e sua equipe explicaram como seu plano funcionaria em um documento intitulado "Poços lunares e tubos de lava para uma arca moderna". Eles iriam construir a abóbada abaixo da superfície da Lua, onde "poços lunares", antigos túneis de lava com 80 a 100 metros de profundidade, seriam espaços de armazenamento ideais.

De acordo com Thanga:

“Os poços lunares forneceriam um abrigo pré-fabricado da superfície da lua. Isso é importante porque a Lua pode sofrer grandes oscilações de temperatura junto com outras ameaças, como meteoritos.”

Dentro do cofre, milhões de amostras de diversas criaturas seriam armazenadas em condições extremamente frias. As sementes devem ser armazenadas a -144 ° C. As células-tronco exigiriam temperaturas ainda mais frias, a -195 ° C.

O autor do estudo explicou que os cofres seriam operados por robôs e alimentados por aproximadamente 2.055 pés quadrados de painéis solares.

As amostras seriam armazenadas abaixo da superfície da Lua em poços lunares em uma instalação como esta.

Tudo isso parece ótimo, mas como você levaria 6,7 ​​milhões de amostras de sementes, espermatozoides, óvulos e DNA para a Lua?

Os cientistas também têm um plano para isso. Thanga disse que, segundo seus cálculos, o transporte exigirá cerca de 250 lançamentos de foguetes. Para contextualizar, a construção da Estação Espacial Internacional levou cerca de 40 lançamentos de foguetes.

A 'arca' seria acessível através do poço do elevador.

De qualquer forma, Thanga acredita que construir uma abóbada lunar como a que ele imaginou deveria ser uma prioridade para a humanidade.

“Como seres humanos, tivemos uma situação difícil cerca de 75.000 anos atrás, com a erupção do supervulcão Toba, que desencadeou um período de resfriamento de 1.000 anos e, de acordo com alguns, se alinha com uma queda estimada na diversidade humana.”

Hoje, Thanga teme que o planeta Terra esteja caminhando para um desastre.

Mas sua ideia já tem precedentes. Acontece que já existe um "banco de genes" na Terra. O Svalbard Global Seed Vault na ilha norueguesa de Spitsbergen está localizado nas profundezas do Círculo Polar Ártico. Ele contém cerca de 992.000 amostras exclusivas, cada uma contendo uma média de 500 sementes de plantas. Mas isso pode não ser suficiente no caso de um desastre global.

Isso porque o Svalbard Global Seed Vault não é imune a perigos terrestres, como o aumento da temperatura e do nível do mar. Em 2017, a abóbada inundou após o derretimento do permafrost. Além disso, Longyearbyen, a capital de Svalbard, está esquentando mais rápido do que qualquer outra cidade do mundo.

Svalbard Global Seed Vault.

Os motivos pelos quais Thanga e sua equipe querem construir uma abóbada lunar são perturbadores: colapso social, desastre ambiental e a possível destruição do planeta Terra como o conhecemos. Mas alguns membros de sua equipe veem o projeto como um símbolo de entusiasmo e esperança.

Conforme Álvaro Díaz, aluno que lidera a análise térmica do projeto, disse:

“O que me surpreende em projetos como este é que me fazem sentir que estamos nos aproximando de nos tornarmos uma civilização espacial, e de um futuro não muito distante onde a humanidade terá bases na Lua e em Marte.”

[Grandes Medios]

 
});