Durante séculos, histórias de demônios sugadores de sangue conhecidos como vampiros têm sido o tema principal de livros de terror, filmes e ficção.

Um exemplo antigo e bastante infame de um assassino semelhante ao vampiro é o caso de Fritz Haarmann, nascido em 1879 em Hanover, Alemanha. Desde tenra idade, ele exibia um comportamento bastante perturbador, preso com apenas 17 anos por abuso sexual infantil e constantemente dentro e fora da prisão por vários outros crimes. Na idade adulta, ele tentou ser uma pessoa melhor, conseguiu um emprego em uma fábrica de charutos, se casou e temporariamente encerrou sua vida de crime, anos depois tudo foi por água abaixo. Ele abandonou sua esposa, entrou para o exército mas foi dispensado por comportamento predatório, cumpriu uma tarefa por algum tempo num sanatório na Suíça e retornou à Alemanha  voltando para a vida do crime, envolvendo-se em operações de contrabando no pós-guerra.

Haarman começou a perambular pelas ruas secundárias de Hanover, procurando caçar jovens refugiados que se aglomeravam na cidade. Haarman começou a ter fome de sangue, atraindo os jovens para seu quarto, onde os mataria brutalmente e eliminaria os corpos por meio de um misterioso terceiro cúmplice, que venderia as roupas e venderia a carne  “no mercado negro”. O método pelo qual ele matava suas vítimas que lhe dá um lugar entre os "vampiros de verdade". Ele dominava a vítima e mordia a garganta, roendo a carne para beber o sangue, às vezes a ponto de a vítima quase ser decapitada pelo ataque cruel e implacável. Na época, a polícia estava procurando pelo assassino por toda parte, enquanto o número de mortos aumentava e mais corpos eram encontrados praticamente sem sangue, e Haarman acabou sendo pego, acusado de 27 mortes, e logo depois das investigações foi considerado responsável por mais 50. Ele estava sendo chamado de “Vampiro de Hanover”, em 1924 foi considerado culpado e condenado à morte por decapitação por uma espada, um método de execução que ele mesmo solicitou. 

O nosso próximo caso aconteceu na região da aldeia de Lucena, nas Filipinas. Em 27 de novembro de 1952, a idosa Maria Sobremisana, de 80 anos, foi brutalmente atacada e teve uma parte do braço totalmente arrancada. Não muito depois disso, um menino brincando em uma estação ferroviária foi abordado por uma mulher misteriosa, que o pegou e bateu sua cabeça contra o concreto. Ela então pegou o menino e começou a lamber e sugar avidamente o sangue de suas feridas, uma multidão horrorizada começou a se reunir ao redor. Alguns espectadores corajosos avançaram para dominar a mulher obviamente louca e depravada, segurando-a até a chegada da polícia. Mesmo enquanto as autoridades se reuniam, a mulher supostamente tirou um pedaço de carne de seu bolso, provavelmente do braço da velha, e deu uma mordida como uma maçã.

A autora dessa série de ataques bizarros e canibalísticos foi Estelita Florencio, de 27 anos, que disse à polícia que ela era uma vampira e às vezes era mantida sob controle por seus desejos incontroláveis ​​de sangue. Ela também admitiu que havia atacado outras pessoas de maneira semelhante em toda a região. Enquanto estava presa, ela aparentemente entrou em algum tipo de abstinência louca por falta de sangue, gritando e implorando por isso, a tal ponto que um guarda supostamente teve pena dela, picando sua carne e deixando-a chupar o ferimento. Não está claro o que aconteceu com Estelita depois disso, mas certamente é um caso bastante sinistro e sombrio.

A seguir, temos o caso de Tracey Wigginton, que nasceu na cidade costeira de Rockhampton, no norte da Austrália, em 1965. Desde jovem era fascinada por beber sangue, muitas vezes matando animais para saciar a sua sede, mas isso viria a se revelar anos mais tarde insuficiente para satisfazer sua sede por sangue. Em 1989, ela sentiu o chamado para beber sangue humano de verdade e conspiraria com sua amante, Lisa Ptaschinski, e duas outras cúmplices Kim Jervis e Tracy Waugh para irem caçar uma vítima. Elas encontraram um homem chamado Edward Baldock, de 47 anos, que na época era pai de quatro filhos e estava bebendo com amigos. Enquanto esperava por um táxi na esquina de uma rua, ele encontrou Wigginton e suas amigas.

Jervis aparentemente se passou por prostituta e o atraiu para o carro, ele foi esfaqueado 27 vezes abrindo um buraco "do tamanho de um prato", quase cortando sua cabeça no processo. Um investigador diria mais tarde: “Ela colocou em sua cabeça que era uma vampira e precisava beber sangue humano e precisava de uma vítima.” O cartão do caixa eletrônico de Wigginton foi encontrado no sapato de Baldock, o que rapidamente a levou à prisão, embora fosse a única dos quatro co-acusados ​​que se confessou culpada da acusação de assassinato. Todos os seus cúmplices diriam que Wiggington tinha tendências vampíricas, e que havia mostrado pouco remorso no rescaldo da morte. Wiggington seria levada a julgamento e condenada por homicídio em 1991, sua pena foi a prisão perpétua, enquanto Ptaschinski foi condenada por homicídio, Jervis por homicídio culposo e Waugh inocentada de todas as acusações. O caso era notório na Austrália na época, conhecido como um dos assassinatos mais brutais que o país já viu, e Wigginton continuaria seu ataque quando agrediu um guarda prisional e outra prisioneira em 2006. Foi libertada da prisão em 2012, e não se sabe muito sobre o que aconteceu desde então.

Ainda mais recente, temos o caso de Nicolas Claux, que em 15 de novembro de 1994 foi preso pela polícia em Paris, França, sob suspeita de assassinato. Tudo começou quando várias pessoas na comunidade homossexual da cidade começaram a aparecer mortos, e não apenas mortos, mas massacrados e esquartejados. Descobriu-se que as vítimas haviam sido baleadas com uma pistola calibre .22 que acabou sendo encontrada em poder de Claux, mas a polícia não estava totalmente preparada mentalmente para os horrores que os esperava no apartamento de Claux. O próprio Claux explicaria a cena:

Após minha prisão, fui levado de volta ao Departamento de Criminalidade de Paris para interrogatório. Sem que eu soubesse, os investigadores da cena do crime já estavam em processo de execução de um mandado de busca e apreensão no meu apartamento na 9 Rue Coustou. Lá dentro, eles encontraram uma arma calibre .22 debaixo da minha cama, que imediatamente enviaram para testes de balística. Embora provavelmente não tenham ficado surpresos por terem encontrado a pistola, quase certamente não estavam preparados para a cena horrível que os recebeu.   Por todo o meu apartamento, fragmentos de ossos e dentes humanos estavam espalhados como moedas perdidas; vértebras e ossos das pernas pendurados no teto como móbiles mórbidos, e centenas de videocassetes, principalmente filmes slasher e hardcore S&M, encheram minhas prateleiras. Só podemos imaginar o que se passou pela mente dos investigadores enquanto eles olhavam em volta dos meus aposentos. Em uma parede estava pendurado um alvo crivado de balas, enquanto do outro lado da sala estava um aparelho de TV com potes de cinzas humanas. Várias revistas de bondage foram empilhadas em um canto distante, e perto da minha mochila foram encontradas algemas, instrumentos cirúrgicos e fita adesiva. Além de meus gostos e opções de decoração, os investigadores também descobriram várias bolsas de sangue roubadas dentro da minha geladeira. Com pouca hesitação de minha parte, informei a eles que havia roubado os túmulos de vários cemitérios góticos parisienses e mutilado os restos mortais mumificados. Quando questionado sobre o motivo pelo qual estava armazenando bolsas de sangue roubadas dentro da minha geladeira, simplesmente respondi que bebia o sangue regularmente. Trabalhando como assistente de necrotério por 10 meses, usei minha posição como um meio para realizar uma fantasia minha que durava toda a vida, girando em torno do canibalismo. Quando deixado sozinho para costurar os corpos após as autópsias, eu cortava tiras de carne das costelas e comia. Em algumas ocasiões, eu trazia pedaços de carne de volta para minha casa, onde cozinhava e comia esses pedaços também.

Ele admitiu que desde muito jovem era obcecado por vampiros, lobisomens, demônios e o ocultismo e que, à medida que envelhecia, passava a maior parte do tempo em cemitérios, às vezes roubando cadáveres, começou a agir como um vampiro, trancando-se dentro de mausoléus durante o dia, e sair a rondar à noite, ele disse:

Desde que me lembro, sou obcecado por cemitérios. Eu conhecia cada cemitério de Paris como a palma da minha mão. Entre 1990 e 1993, passei a maior parte do meu tempo livre em cemitérios. Enquanto um botânico estuda plantas e flores, eu apreciava estudar e examinar fechaduras enferrujadas e avaliava o peso das tampas de cimento. Minhas coisas favoritas eram mausoléus. Os mais impressionantes podem ser encontrados nos cemitérios Pere-Lachaise, Montmartre ou Passy. Eu espiava pelas janelas para ver o interior. Alguns foram decorados com móveis, pinturas ou estátuas. 

Com 20 anos se alistou no exército, mas não conseguia se concentrar, pois seus pensamentos muitas vezes vagavam para fantasias de cadáveres, assassinato e beber sangue humano. Voltou para Paris e tentou se tornar um agente funerário, mas foi recusado, embora tenha conseguido se tornar um atendente do necrotério em 1993, com suas várias funções, incluindo ajudar nas autópsias, limpar as lajes do necrotério e preparar os corpos para velórios. Foi nessa época que ele realmente desenvolveu um gosto pela carne humana, dizendo:

Eu ficava sozinho com o corpo depois da autópsia fazendo os pontos, isso era minha especialidade. Foi quando comecei a comer tiras de músculos do corpo. Sempre verifiquei seus arquivos médicos primeiro. Certa vez, conversei com um açougueiro que me disse que a carne fica melhor três ou quatro dias após a morte. Isso era algo que eu sempre sonhei em fazer e era a oportunidade de fazer isso regularmente. Às vezes, eu levava para casa carnes selecionadas para serem cozidas, mas minha preferência era comê-las cruas. Tinha gosto de bife tártaro, ou carpaccio. Os grandes músculos das coxas e das costas eram bons, mas não havia carne boa nos seios, apenas gorduras. 

Ele passou a roubar bolsas de sangue da unidade de cirurgia, levando-as para casa para beber. Depois disso, passou a procurar vítimas reais para matar e saciar sua crescente sede de sangue. Rondava os distritos homossexuais tentando atrair as pessoas, encontrou sua primeira vítima, um homem chamado Thierry Bissonnier, que matou a tiros com sua pistola. Ele diria de sua prisão:

Em 15 de novembro de 1994, fui preso em frente ao cabaré Moulin Rouge após uma briga com uma mulher. A polícia me reconheceu pela fotografia na carteira de motorista falsificada de Bissonnier e, enquanto estava sob custódia, confessei o assassinato quando me mostraram as provas balísticas. Uma investigação posterior mostrou que eu estava roubando os túmulos de vários cemitérios góticos parisienses, roubando os ossos e mutilando os restos mortais mumificados. Quando questionado sobre o motivo pelo qual estava armazenando bolsas de sangue roubadas dentro da minha geladeira, simplesmente respondi que bebia regularmente. Também confessei ter uma dieta muito especial e passei a descrever meu trabalho mortuário e o canibalismo.

Ele logo foi rotulado de "O Vampiro de Paris" pela mídia e, durante o julgamento conseguiu convencer psiquiatras e psicólogos de que era elegível para responsabilidade reduzida devido ao seu desvio e transtorno de personalidade psicótica limítrofe. No entanto, acabou sendo considerado culpado de assassinato premeditado e assalto à mão armada, condenado a 12 anos de prisão, embora nunca tenha sido condenado por roubo de túmulo ou pelo roubo de bolsas de sangue. Ele seria libertado em 2002, depois de cumprir 7 anos.

[Mysterious Universe]

 
});