Na história os grandes períodos de surtos de doenças foram de uma recuperação lenta e gradual em vários sentidos: econômico, social até a própria saúde. No século XIV, a peste bubônica, que ainda existe em escala menor, e a gripe espanhola que matou mais ou menos 50 milhões de pessoas, mudou o caráter das pessoas.

 Depois dessas doenças a trajetória de excessos e perdição cresceram grandemente, a normalidade da vida das pessoas não se restabeleceu de um dia para o outro, mas enquanto a doença se propagava, silenciosamente os padrões das pessoas estavam sendo moldados para se adaptarem à quarentena.

 Em 1919, em pleno surto de gripe espanhola, o carnaval foi lembrado como o mais promiscuo, com muitos excessos e uma queda nos padrões de comportamento das pessoas resultando em doenças sexuais e vicios sem limites.

 Qualquer pandemia não só causa problemas financeiros, mas a personalidade do ser humano pode ser seriamente afetada para pior.

 
});