O fenômeno do hipnotismo ainda é pouco compreendido pelo público em geral e pelos cientistas. Envolvendo o uso de indução hipnótica que assume muitas formas - a imagem popular sendo um relógio oscilante - o sujeito supostamente entra em um estado de mente alterada ou transe, durante o qual eles têm uma percepção consciente diferente do normal e foco e concentração aumentados, que permite que o hipnotizador alcance todos os tipos de efeitos pretendidos. O hipnotizador pode supostamente diminuir a dor aguda e crônica do sujeito, fazê-lo reviver memórias do passado, até mesmo fazer com que pare de fumar ou beber, ou perca peso, mas a concepção mais popular é que o sujeito é incrivelmente aberto a sugestões e que o hipnotizador pode obrigá-los a fazer todo tipo de coisas que normalmente não fariam. 

Era noite de 8 de novembro de 1909, e a Somerville Opera House, em Somerville, New Jersey, estava lotada de gente para ver o show do famoso hipnotizador Arthur Everton. Quando o hipnotizador entrou teatralmente no palco, seus olhos percorreram a multidão enquanto ele pedia um voluntário da plateia. Em atos de hipnotização, as pessoas costumavam hesitar em se voluntariar para serem as primeiras. Ninguém queria ser o primeiro a subir e sujeitar-se a atos possivelmente muito embaraçosos, então o hipnotizador geralmente empregava o que era chamado de "líder" ou "cavalo", uma pessoa que trabalhava com o hipnotizador se oferecia para ir primeiro, a ideia era que, uma vez que alguém fosse o primeiro, os outros livremente iriam se voluntariar.

Nesta noite, o líder de Everton era um pianista de 35 anos e ex-maestro de bonde chamado Robert Simpson. Os dois haviam trabalhado juntos em atos de hipnotização por um tempo e, normalmente, Simpson se apresentava como voluntário. Estava quase no final do show e Everton já tinha muitos voluntários hipnotizados para fazer todo tipo de coisa cômica, mas esse era o “grande final” e mais uma vez as pessoas ficaram reticentes em se voluntariar. Simpson ergueu a mão e se ofereceu. Para esta façanha, o plano era hipnotizar Simpson e ordenar que ele ficasse rígido enquanto se deitava horizontalmente em duas cadeiras. Um artigo no New York Times descreve o ato:

Ele disse a Simpson para ficar rígido. Everton então fez com que os assistentes colocassem o corpo em duas cadeiras, a cabeça apoiada em uma e os pés na outra, e subia na barriga do sujeito e depois abaixava-se novamente. Dois atendentes, agindo sob suas ordens, colocaram Simpson em pé, e Everton, batendo palmas, gritou 'Relaxe!' O corpo de Simpson amoleceu tão repentinamente que escorregou das mãos dos atendentes para o chão, com a sua cabeça batendo em uma das cadeiras enquanto ele escorregava.

O público engasgou-se, sem saber se isso fazia parte do ato ou não, e algumas pessoas até começaram a aplaudir, mas logo ficou claro que não era um ato, pois Everton curvou-se sobre a forma deitada e começou a gritar freneticamente por um médico. Nesse ínterim, Everton continuou tentando tirar Simpson de seu transe, mas isso era difícil de fazer porque ele estava morto. Na verdade, o médico do condado, Dr. WH Long, declarou Simpson morto no local, mas Everton não concordou que seu assistente estivesse realmente morto. Ele disse ao médico e às autoridades que acreditava que Simpson ainda estava em transe, em uma espécie de profundo estado de animação suspensa, e que poderia reanimá-lo se tivesse mais tempo. Ele teve permissão para tentar, mas apesar de trabalhar por horas para tentar trazer Simpson de volta, nada parecia funcionar e Simpson permaneceu morto.

Everton foi levado à prisão local, acusado de homicídio culposo e enfrentou uma dura sentença, mas se recusou a admitir que Simpson estava morto. Ele implorou às autoridades para deixá-lo tentar mais uma vez. As autoridades, perplexas, perceberam que não tinham nada a perder e permitiram que Everton contatasse seu amigo, um hipnotizador e professor emérito da Universidade de Columbia, William Davenport. Depois que Everton explicou o que tinha acontecido, Davenport concordou que Simpson poderia muito bem ainda estar vivo e em estado congelado, cataléptico, como uma animação suspensa, e então ele concordou em ir lá e tentar trazer o homem de volta. Quando Davenport chegou ao necrotério, ele imediatamente começou a trabalhar, usando comandos hipnóticos no cadáver e dizendo: “Bob! Seu coração! Prumo! Seu coração! Seu coração está batendo! Bob, a ação do seu coração está começando. Está começando. Oh, eu digo, Bob, olhe, seu coração está começando a bater. Ouça, Bob, a ação do seu coração é forte. Bob, seu coração começa a bater.”

Ele dizia coisas nesse sentido, repetindo-as por horas, usando tons e abordagens diferentes que iam de amigável e jovial, mas o coração não batia, Simpson não se mexia, nem se sentava, nem recomeçava a respirar, ele ainda estava completamente silencioso e imóvel. Para a polícia, estava começando a ficar muito óbvio que o homem estava morto, mas mesmo assim Everton continuou a insistir que o transe era profundo, e que ele estava realmente vivo enquanto voltava para a prisão. Felizmente para Everton, a causa da ruptura não pôde ser determinada, não havia evidências para acusá-lo, ele foi finalmente libertado. Um médico diria:

A morte foi praticamente instantânea e evidentemente ocorreu no momento em que Simpson estava saindo do transe. Se a tensão que ele sofreu quando Everton subiu sobre o corpo durante sua rigidez causou a ruptura, não pode ser verificado.

Everton parou de se apresentar e caiu na obscuridade, antes de ser preso novamente, desta vez por contrabandear bebidas alcoólicas durante a Lei Seca. Durante sua prisão, ele alegou que poderia ter parado a polícia com hipnotismo, mas optou por não fazê-lo. Depois disso, ele meio que desapareceu na história, seu destino final é incerto. 

[Mysterious Universe]

 
});