A capacidade de imaginar coisas na mente desempenha um papel fundamental na resposta ao medo. Crédito da imagem: sxc.hu

Um novo estudo revelou que contos de fantasmas e histórias assustadoras têm pouco impacto sobre aqueles com cegueira mental.

Ler uma história de fantasmas particularmente assustadora ou assistir a um documentário paranormal pode enervar até o mais convicto dos céticos, mas, para algumas pessoas, mesmo o mais assustador dos contos não tem impacto algum e tem tudo a ver com a forma como visualizamos as coisas em nossas cabeças.

Em um estudo recente, os cientistas realizaram um experimento no qual mediram a reação das pessoas ao medo monitorando as mudanças nos níveis de condutividade da pele (ou em outras palavras, o quanto elas suam).

Aproximadamente metade dos participantes sofria de afantasia ou 'cegueira mental', o que significava que eram incapazes de imaginar as coisas em suas cabeças como a maioria de nós faz.

Para o teste, as luzes foram apagadas e os participantes ficaram sozinhos com uma história que apareceria em uma tela na frente deles. Embora essas histórias tenham começado de maneira bastante inócua, logo se tornaram muito mais aterrorizantes.

"Os níveis de condutividade da pele começaram a crescer rapidamente para as pessoas que conseguiam visualizar as histórias", disse o autor sênior do estudo, o professor Joel Pearson, da University of New South Wales.

"Quanto mais as histórias continuavam, mais a pele deles reagia."

"Mas para pessoas com afantasia, os níveis de condutividade da pele praticamente se estabilizaram."

Os resultados do experimento parecem sugerir que a imaginação - a capacidade de imaginar um conceito na mente - desempenha um papel muito mais importante na resposta ao medo do que se acreditava anteriormente.

"Encontramos a evidência mais forte de que as imagens mentais desempenham um papel fundamental na ligação de pensamentos e emoções", disse o professor Pearson. "Em todas as nossas pesquisas até o momento, esta é de longe a maior diferença que encontramos entre as pessoas com afantasia e a população em geral."

[Science Daily]
 
});