Os restos mortais da tenda do grupo foram encontrados na encosta da montanha. Crédito da imagem: investigadores soviéticos

Os cientistas acreditam que finalmente encontraram uma resposta para um dos mistérios mais duradouros do século XX.

Considerado um dos casos mais assustadores não resolvidos da Rússia, o incidente de Dyatlov Pass envolveu um grupo de nove estudantes que desapareceram depois de fazer uma caminhada nos montes Urais. Liderados por Igor Dyatlov, de 23 anos, eles partiram em 23 de janeiro de 1959 e nunca mais foram vistos vivos.

Quando as equipes de resgate foram procurá-los, encontraram a tenda do grupo, que parecia ter sido aberta por dentro com um instrumento afiado, nas encostas do Monte Kholat Syakhl.

Os pertences dos caminhantes estavam todos espalhados pelo acampamento e um rastro de pegadas indicava que eles haviam se levantado e saído com pressa, alguns deles sem sapatos ou meias.

Depois de seguir a trilha por 1,5 km, os socorristas descobriram cinco corpos, muitos exibindo sinais de trauma físico, como crânio e costelas quebrados.

Nenhum sinal dos outros quatro membros do grupo foi encontrado, no entanto, após uma extensa busca que durou dois meses, as equipes de resgate localizaram seus restos em uma floresta próxima.

Posteriormente, uma investigação criminal atribuiu suas mortes a uma "força convincente desconhecida".

No entanto, 62 anos após o incidente, um novo estudo publicado na revista Communications Earth and Environment apresentou a teoria de que os caminhantes morreram de uma forma incomum de avalanche "atrasada" em pequena escala.

O estudo foi liderado por Johan Gaume - chefe do Laboratório de Simulação de Neve e Avalanche no Instituto Federal Suíço de Tecnologia - e o engenheiro geotécnico Alexander Puzrin.

Quando os caminhantes cortaram a neve para armar sua barraca, argumentam os autores, a encosta foi desestabilizada. Embora não tenha caído neve fresca naquela noite, os ventos catabáticos podem ter trazido neve do alto das montanhas e depositado na encosta, eventualmente fazendo-a ceder.

Isso explicaria o misterioso atraso de 9 horas entre eles montando o acampamento e a avalanche que acabou com suas vidas.

Outros especialistas, incluindo o alpinista profissional Freddie Wilkinson, também estão convencidos de que foi isso que aconteceu.

"Estou absolutamente convencido de que a tragédia foi o resultado da deposição do vento e da neve, e do fato de que eles acamparam a sotavento de uma serra", disse ele.

"Já cometi esse erro em minha carreira de montanhista mais de uma vez."

Porém, em última análise, talvez nunca saibamos com certeza exatamente o que aconteceu.

[National Geographic]
 
});