Ficar horas sentado na cadeira olhando uma tela de computador ou passando o dedo na tela do smartphone ou tablet tornou-se um hábito para centenas de milhares de pessoas, com os olhos presos na brilhante tela, atualizam suas redes sociais dia e noite desconhecendo completamente a vida real fora dessas redes.

 Crianças, jovens e adultos estão perdendo completamente a noção da realidade sendo influenciados por todo tipo de conteúdo, muitas das vezes prejudicando o raciocínio, sendo manipulados e bombardeados por uma onda de informações sem limites. 

 Facebook, twitter, youtube e as demais assim chamadas “mídias sociais”, no decorrer do tempo têm modificado sua fórmula de negócio para prender os ditos seguidores, incentivando os seus “colaboradores”, a criarem conteúdos seguindo a mesma cartilha de sempre, como martelar constantemente o mesmo assunto até o limite.

 Intrigas, confusão, não respeitar a opinião de determinado grupo, caçar frases ditas há tempos atrás para denegrir alguém são um dentre tantos resultados do domínio dessas corporações na internet.

 Pais e mães sujeitando seus filhos a esses pseudo-influenciadores da internet a promoverem o desenvolvimento intelectual, permitindo com que as crianças tenham seus comportamentos moldados.

 Jovens e adultos apresentando sintomas de baixa autoestima, depressão e perdendo a noite com um fone no ouvido divisando o aparelho até o raiar do dia prejudicando a retina, enquanto seus corpos estão adoentados, as corporações enriquecem em cima do vício, e os pseudos-influenciadores da mesma forma, principalmente através de cursos que não serve para nada.

 Sejam influenciados por livros bem escritos, sites que produzem textos que contribuam para o enriquecimento da mente, e procure não usar muito a internet.  

 
});