Os fragmentos de madeira continuam bem preservados. Crédito da imagem: Universidade de Aberdeen

Pedaços de madeira recuperados da pirâmide 100 anos atrás apareceram em uma caixa na Universidade de Aberdeen.

Apesar de seu tamanho imenso, poucos artefatos foram recuperados de dentro da única maravilha remanescente do mundo antigo - a Grande Pirâmide de Gizé - principalmente porque o conteúdo original foi saqueado durante a antiguidade, deixando muito pouco para os arqueólogos modernos descobrirem.

Um dos únicos três artefatos já recuperados da pirâmide - um conjunto de fragmentos de madeira de cedro que antes constituíam uma regra de medição - finalmente apareceu mais de 100 anos depois de desaparecer.

Ele foi encontrado em uma caixa de charuto despretensiosa nos arquivos da Universidade de Aberdeen, Escócia, pelo curador assistente Abeer Eladany.

“As coleções da universidade são vastas - chegando a centenas de milhares de itens - então, procurá-las foi como encontrar uma agulha em um palheiro”, disse Abeer.

"Não pude acreditar quando percebi o que havia dentro desta lata de charuto de aparência inócua."

Surpreendentemente, a datação por carbono revelou que a madeira pode remontar a uma época 500 anos antes da própria pirâmide.

"Encontrar a Dixon Relic desaparecida foi uma surpresa, mas a datação por carbono também foi uma revelação", disse Neil Curtis da Universidade de Aberdeen. "É ainda mais antigo do que imaginávamos."

"Isso pode ser porque a data se relaciona com a idade da madeira, talvez do centro de uma árvore de longa vida. Alternativamente, pode ser devido à raridade das árvores no antigo Egito, o que significava que a madeira era escassa, preciosa e reciclada ou cuidada por muitos anos."

 
});