Astrônomos provaram a existência do misterioso planeta X. | Resumo.


Nos últimos anos, os astrônomos têm garantido que existe um nono planeta nos limites externos de nosso sistema solar. No entanto, apesar de sua “forte evidência”, ninguém ainda encontrou o corpo celeste.

Até o momento, existem vários estudos durante os quais foi descoberto que outros objetos em nosso sistema são definitivamente influenciados por um corpo. Esse efeito é atribuído ao Planeta X, também conhecido como Planeta Nove.

Mais recentemente, pesquisadores da Universidade de Yale começaram a desenvolver novas maneiras de identificá-lo. Os cientistas vão olhar para o céu noturno com telescópios que usam a técnica de “compensar e combinar”. A estratégia envolve deslocar as imagens resultantes ao longo de diferentes trajetórias orbitais e então costurar todas as fotos juntas.

Mas mesmo sem evidências físicas da existência de um planeta que deveria estar atrás de Plutão, muitos astrônomos têm certeza de que realmente está. O cientista planetário do Instituto de Tecnologia da Califórnia, Konstantin Batygin, disse que a probabilidade da realidade do planeta é de 99,9%. Outros cientistas que trabalharam com ele e acreditam independentemente que o planeta X é dez vezes o tamanho da Terra e 20 vezes mais longe do que Netuno. Isso significa que ele tem uma órbita bastante grande, com uma revolução ao redor do Sol levando de 10.000 a 20.000 anos, relata o Express.

Enquanto isso, os astrônomos de Yale, Malena Rice e Greg Laughlin detectaram sinais fracos de três objetos transnetunianos (TNOs) - pequenos corpos que estão além da órbita de Netuno - usando imagens "deslocadas" do telescópio TESS.

“Se pelo menos um desses objetos candidatos for real, isso nos ajudará a entender a dinâmica do sistema solar externo e as propriedades prováveis ​​do Planeta Nove. Esses novos dados são muito interessantes ”, disse Rice.

No entanto, até agora muitos cientistas não concordam com a pesquisa de Batygin. Por exemplo, Ethan Siegel, um astrofísico teórico americano especializado na teoria do Big Bang, argumenta que os dados usados ​​para identificar o Planeta X não são profundos o suficiente.

Em sua opinião, os objetos transnetunianos observados e suas órbitas, pelas quais o Planeta X será responsável, deveriam estar em uma determinada região do céu, e não aparecer esporadicamente. Siegel observou que Batygin e seus colegas provavelmente “serão vítimas de um fenômeno chamado viés de descoberta”.

[SouLask]

 
document.querySelectorAll('img').forEach(function(img) { img.src = img.src.replace('/s72-c','/s1600'); });