Um aglomerado de estrelas anormais em uma galáxia próxima surpreende os astrônomos. | Resumo.


O agrupamento observado de objetos destrói completamente a ideia dos cientistas sobre a criação de luminárias. Os aglomerados globulares incluem centenas de milhares de estrelas antigas que formam uma esfera e giram simultaneamente em torno do núcleo galáctico. Astrônomos toparam com um objeto que violava todas as normas teóricas.

Os metais pesados ​​são necessários para a evolução das luminárias; sem eles, os processos não podem ocorrer em objetos por completo. Ao longo dos anos, Soren Larsen, da Radbaud University, estudou os elementos constituintes dos aglomerados globulares para entender como as galáxias se formam e se desenvolvem. Para variar, o cientista decidiu verificar outro aglomerado de estrelas. Assim foi feita a descoberta que hoje assombra.

O aglomerado globular foi denominado RBC EXT. Andrômeda é vizinha da Via Láctea, está localizada a apenas 2,5 milhões de anos-luz de distância. De acordo com os cientistas, essas duas galáxias inevitavelmente colidirão no futuro.

Uma fusão termonuclear de hidrogênio e hélio ocorre nas estrelas. Quando esses elementos são queimados, eles formam substâncias pesadas. Mais tarde, eles entram no espaço sideral, onde são absorvidos por estrelas jovens. Esse processo continua em um círculo ad infinitum. Quanto mais antigo o sistema e quanto mais estrelas jovens, mais substâncias pesadas ele contém. O aglomerado de estrelas descoberto contém oitocentas vezes menos metais pesados ​​do que o Sol sozinho.

Segundo as conclusões dos cientistas, alguns aglomerados globulares poderiam surgir do gás em um estágio inicial da formação do Universo, quase sem a participação de outros elementos. A principal tarefa dos especialistas é entender como isso se tornou possível e encontrar sistemas semelhantes.

[Planeta.]

 
document.querySelectorAll('img').forEach(function(img) { img.src = img.src.replace('/s72-c','/s1600'); });