Os britânicos da Idade do Bronze transformaram ossos em instrumentos. | Resumo.

Imagine transformar o osso da coxa do seu parente em uma flauta. Crédito da imagem: PD - ahmed adly


Embora na era moderna não seja incomum alguém guardar as cinzas de um parente falecido, algumas pessoas na Idade do Bronze na Grã-Bretanha levaram a preservação dos mortos um passo adiante, eliminando totalmente o processo de cremação e agarrando-se a partes reais do corpo por longos períodos de tempo.

De acordo com uma nova pesquisa, entre 2.000 e 4.000 anos atrás, não era incomum que as pessoas usassem os ossos de seus parentes mortos em uma ampla variedade de maneiras, como incorporá-los nas fundações de suas moradias, decorar um local de sepultura ou mesmo fazer instrumentos musicais.

"Foi sugerido que esses restos eram algo semelhante a relíquias sagradas", disse o Dr. Tom Booth, do Instituto Francis Crick. 

No entanto, a datação por radiocarbono sugere o contrário, com toda a probabilidade, as pessoas que usaram os ossos provavelmente conheciam o indivíduo a quem pertenceram.

"Em média, demorou algumas gerações, ou seja, cerca de 60 anos para que esses restos fossem mantidos", disse Booth. "Isso significa que os ossos provavelmente vieram de pessoas que viveram na comunidade ou estavam sendo mantidos entre aqueles que conheciam a pessoa a quem o osso pertenceu."

"As evidências sugerem que as pessoas estavam mantendo esses ossos não por centenas ou milhares de anos, mas por algumas décadas, talvez até alguns séculos."

 
document.querySelectorAll('img').forEach(function(img) { img.src = img.src.replace('/s72-c','/s1600'); });