Esperma pré-histórico encontrado preso dentro de âmbar. | Resumo.

Âmbar pode conter um tesouro de espécimes preservados. Crédito da imagem: PD - Sebakoamber

Cientistas identificaram células de esperma de milhares de anos perfeitamente preservadas dentro de resina fossilizada de árvore.

As células, que têm várias vezes o tamanho do espermatozóide humano, pertenciam a criaturas minúsculas medindo apenas 0,6 mm de diâmetro, uma classe de microcrustáceos conhecida como ostracodes que ainda existe hoje.

Particularmente notável sobre essas criaturas é sua tendência para produzir espermatozóides que são até dez vezes maiores do que eles, uma façanha que se tornou possível pela maneira como ele se torce e se enreda em pequenas bolas.

Descobriu-se que o âmbar contém 39 criaturas individuais, bem como seu esperma gigante.

"O fato de os receptáculos seminais da fêmea estarem em um estado expandido devido ao preenchimento com esperma indica que a cópula bem-sucedida ocorreu pouco antes de os animais ficarem presos no âmbar", escreveram os autores do estudo.

Uma descoberta como essa - com tecidos moles tão bem preservados por tanto tempo - é particularmente rara.

A descoberta também mostra quão pouco esses microcrustáceos mudaram em milhares de anos.

"O clasper masculino, bombas de esperma, hemipenos e receptáculos seminais femininos com espermatozóides gigantes de ostracodes fósseis revelam que o repertório comportamental da reprodução, que está associado a adaptações morfológicas consideráveis, permaneceu inalterado por pelo menos 100 milhões de anos", escreveram os autores do estudo.

 
document.querySelectorAll('img').forEach(function(img) { img.src = img.src.replace('/s72-c','/s1600'); });