Advogado busca perdoar 2.500 bruxas escocesas. | Resumo.

Suspeitas de bruxaria foram perseguidas durante séculos. Crédito da imagem: sxc.hu

Há mais de 300 anos, milhares de escocesas foram queimadas na fogueira porque se acreditava que praticava bruxaria.

Em 1563, o recém-criado Scottish Witchcraft Act estipulou que aqueles que praticavam bruxaria ou que consultassem bruxas deveriam ser condenados à morte.

Alguns anos depois, foi estendido para incluir "consultas com demônios e espíritos familiares".

O ato, que espelhou legislação semelhante na Inglaterra e em outros lugares, viu milhares de pessoas - a maioria mulheres - acusadas de bruxaria sem um julgamento justo ou recurso.

A punição típica para as condenadas era a tortura seguida de queima na fogueira.

Mais de 300 anos depois que o ato foi revogado, uma nova campanha foi lançada que visa perdoar todos que foram considerados culpados e condenados à morte.

"Deve haver um reconhecimento de que o que aconteceu com essas mulheres foi um terrível erro judiciário", disse a fundadora da campanha, Claire Mitchell QC.

Foi apontado que em Salem, onde uma série de julgamentos de bruxas infames levou a várias condenações e execuções, um pedido formal de desculpas foi feito em 1957.

Na Escócia, entretanto, não houve tal reconhecimento.

“Em Princes Street Gardens em Edimburgo, existem monumentos para todos os tipos de homens a cavalo, e até mesmo uma estátua em tamanho real de um urso nomeado,” disse Mitchell.

"Mas não há nada para comemorar as centenas, senão milhares, que morreram como resultado de um dos mais horríveis erros judiciários da história da Escócia."

 
document.querySelectorAll('img').forEach(function(img) { img.src = img.src.replace('/s72-c','/s1600'); });