Pena de Morte: As 13 piores execuções mal feitas de todos os tempos. | Resumo.


Durante os 120 anos de 1890 a 2010, quase 9.000 pessoas foram legalmente executadas nos Estados Unidos. 

Dessas, estima-se que 276 tenham sido "danificadas" de alguma forma, em outras palavras, a execução não ocorreu exatamente como planejado e foi exigido tentativas adicionais. 

Em muitos casos, também envolveu sofrimento não planejado por parte do condenado, a ponto de as testemunhas ficarem traumatizadas.

Ironicamente, a injeção letal foi introduzida como o método mais "humano" da pena de morte, mas tem a maior taxa de tentativas erradas de todas, pouco mais de 7% das injeções letais tiveram algum tipo de erro, isso se comparar a câmara de gás que tem 5,4% de erros, e a cadeira elétrica que tem menos de 2% de erros cometidos. 

Em comparação, a morte por fuzilamento que é considerado o método mais brutal e ineficaz de todos, resultou em zero execuções erradas nas 34 vezes em que foi realizada de 1890 a 2010.

Esses 13 casos envolvem alguns dos exemplos mais terríveis de execução pública que deram errado na história do mundo.

1. Chamas surgiram de sua cabeça

Quando foi colocado na cadeira elétrica em maio de 1990, o assassino e estuprador condenado Jesse Joseph Tafero, precisou de três solavancos de energia antes de conseguir matá-lo. Um "erro humano inadvertido" envolvendo o uso de uma esponja sintética em vez de uma esponja natural causou problema na máquina, mas nas duas primeiras tentativas de matar o condenado, testemunhas disseram que viram chamas saindo da cabeça de Tafero. 

Os presos da prisão alegaram que podiam sentir o cheiro de sua carne queimada por dias depois que ele foi morto. 

Talvez a parte mais trágica dessa história seja que, após sua morte, um dos cúmplices de Tafero assumiu a responsabilidade pelos assassinatos pelos quais Tafero recebeu a pena de morte.

2. Foram necessários 11 golpes de um machado para matá-la


Uma pintura bem antiga de Lady Margaret de la Pole. ( Wikimedia Commons )

Uma aristocrata inglesa que viveu nos anos 1400, Lady Margaret de la Pole sofreu o infortúnio de se envolver na sangrenta disputa pelas tentativas do rei Henrique VIII de se divorciar da rainha e se casar com Ana Bolena. Embora ela não fosse culpada de nada, ela foi presa por traição e colocada na Torre de Londres por mais de dois anos antes de finalmente enfrentar uma execução pública nas mãos de um homem empunhando machado com uma mira extremamente ruim. 

Diante de cerca de 150 espectadores, o carrasco a atacou um total de 11 vezes antes de finalmente decapitá-la. Lady Margaret, sem dúvida, experimentou uma tremenda agonia antes de finalmente ser morta.

3. As primeiras dez balas não a mataram

Para os olhos ocidentais, os nomes tailandeses são irremediavelmente complicados, e "Ginggaew Lorsoungnern" certamente não é exceção. 

Empregada doméstica de uma família da elite de Bangcoc, ela sequestrou o filho de seis anos da família e o entregou a uma gangue que o prendeu por um resgate. 

A família se recusou a pagar o resgate e a gangue esfaqueou o garoto repetidamente. 

No entanto, não foi isso que o matou, pois os médicos legistas determinaram mais tarde que ele morreu sufocado após ser enterrado vivo. 

Por sua participação no assassinato do garoto, Lorsoungnern foi condenada à morte por um esquadrão de fuzilamento. 

Depois de amarrada a uma cruz e crivada de dez balas, os examinadores não viram sinais vitais na mulher. 

Seu corpo foi transferido para um necrotério, mas uma vez colocada sobre a mesa do necrotério, ela começou a se sentar. Foram necessárias mais 15 balas para finalmente matá-la.

4. A sala cheia de fumaça e cheiro de carne queimada

Depois de uma extensa série de crimes de 30 assaltos à mão armada, nove seqüestros e, finalmente, o assassinato de um dono de loja de penhores, John Evans foi preso no Alabama e condenado à morte. 

Ele disse às autoridades que, se libertado, mataria novamente. Em abril de 1983, funcionários do Alabama amarraram-no em uma cadeira elétrica e deram um choque fatal, ou o que eles pensavam ser um choque fatal. 

De acordo com um repórter, “Fumaça e faíscas saíram de baixo nas proximidades do lado esquerdo de Evans” após esse primeiro choque. 

Mas os examinadores descobriram que seu coração ainda estava batendo. Foram necessários mais dois solavancos e um total de 14 minutos antes de Evans finalmente morrer. 

Testemunhas disseram que a carne dele queimava, e após o terceiro choque, o corpo de Evans foi deixado "carbonizado e ardendo em chamas".

5. Ele morreu batendo a cabeça contra um poste de aço

É difícil sentir pena de Jimmy Lee Gray, depois de ser libertado por matar sua namorada, ele sequestrou uma menina de três anos, a estuprou, tentou afogá-la em um riacho e finalmente a matou pisando no pescoço até quebrar. 

Condenado a morrer em uma câmara de gás do Mississipi, demorou quase oito minutos para Gray ser morto, durante o qual as testemunhas tiveram que ser retiradas da sala depois que ele começou a gemer e a bater com a cabeça contra um poste de aço dentro da câmara de gás. 

Alguns especularam que devido à natureza de seus crimes, sua execução foi deliberadamente moderada. Depois que Gray morreu, foi revelado que seu carrasco estava bêbado.

6. Produtos químicos letais foram pulverizados em seu corpo


Antiga Imagem de Raymond Landry. (Departamento de Correções do Texas)

Condenado à morte por injeção letal pelo disparo fatal em um dono de restaurante no Texas, Raymond Landry foi levado a uma sala e injetado com produtos químicos fatais em 13 de dezembro de 1988. 

No entanto, a agulha IV que foi colocada no braço de Landry explodiu, pulverizando os líquidos letais nas testemunhas. 

As testemunhas o ouviram gemer pelo menos uma vez durante a provação. Uma segunda injeção foi aplicada e finalmente provou ser bem-sucedida. Mas foram necessários 40 minutos para matar Landry.

7. “Vi o corpo dele mudar de vermelho para roxo”

Condenado à câmara de gás no Arizona em 1992, Donald Lee Harding passou por agoniantes 10 minutos enquanto lutava violentamente contra suas correias de contenção antes de finalmente sucumbir. 

Um repórter que viu a execução disse que Harding teve espasmos e estremeceu por quase sete minutos. 

Outra testemunha alegou que duas outras testemunhas estavam traumatizadas “andando como vegetais” por dias depois de ver a execução. 

Segundo o repórter de TV Cameron Harper: “Obviamente, este homem estava sofrendo. Foi uma morte violenta, um evento feio. Nós matamos os animais de maneira mais humana. ”

Outra testemunha disse para a repórter de jornal Carla McClain:“ A morte de Harding foi extremamente violenta. Ele estava com muita dor. Eu o ouvi ofegar e gemer. Eu vi o corpo dele mudar de vermelho para roxo."

8. Sangue estava se formando na forma de uma cruz

Devido ao seu tamanho, oficiais da Flórida construíram uma cadeira elétrica especial para o assassino Allen Lee Davis. 

Segundo as testemunhas, o espetáculo foi brutal: “Antes de ser declarado morto, o sangue de sua boca havia derramado sobre o colarinho de sua camisa branca, e o sangue em seu peito havia se espalhado ficando do tamanho de um prato de jantar, escorrendo através dos orifícios da fivela da pulseira de couro que o segurava na cadeira. ” Uma senadora do estado da Flórida que viu as fotos da execução disse que o sangue acabou formando uma cruz, o que ela tomou como sinal de que Deus havia aprovado a execução.

9. Homem decapitado por enforcamento


Homens da lei com o cadáver decapitado de Tom "Black Jack" Ketchum. ( Wikimedia Commons )

No final de 1800, Tom "Black Jack Ketchum" era um fora-da-lei clássico do Velho Oeste.

Ele foi finalmente preso e condenado à morte por enforcamento em Clayton. 

Mas como os carrascos se esqueceram de remover o saco de areia usado para testar a forca antes de pendurar Ketchum, a corda estava especialmente apertada. 

Em vez de simplesmente ficar morto, Ketchum foi decapitado.

10. Mulher decapitada por enforcamento

Essa história é incrivelmente semelhante à de Tom Ketchum, pois aconteceu no sudoeste no final de 1800 e envolveu um enforcamento mal feito que decapitou a vítima. 

Foi diferente no que aconteceu no Arizona, e não no Novo México, e envolveu uma assassina, Eva Dugan, que insistiu em sua inocência até o fim. 

Quando sua cabeça se soltou, ela rolou bem na frente dos pés dos espectadores, chocando a multidão. 

Imediatamente após a execução, o Arizona substituiu a forca pela câmara de gás como seu modo preferido de execução.

11. Uma onda de fumaça e o odor de queimar os cabelos

Em 1890, William Kemmler, condenado por assassinar sua esposa com um machado, entrou na história como o primeiro criminoso a morrer na cadeira elétrica. 

Depois de um forte choque, as autoridades assumiram que Kemmler estava morto, mas ele ainda estava sangrando pelas mãos e pela boca, indicando que seu coração ainda estava batendo forte. 

Ele estava realmente vivo e começou a gemer alto. Ele recebeu uma segunda sacudida, que segundo um escriba causou “um chiado repugnante [vindo] da cadeira, como se a carne estivesse sendo cozida sobre ela, seguida por uma onda de fumaça que enchia a sala com o cheiro de cabelos queimados. " Embora as testemunhas tenham ficado traumatizadas, Kemmler finalmente morreu.

12. Uma coroa de chamas altas na cabeça


Foto antiga de Pedro Medina. (Departamento de Correções da Flórida)

Em 1997, o assassino condenado Pedro Medina foi colocado em uma cadeira elétrica na Flórida, mas sua execução não foi tranquila. 

Segundo um observador, “uma coroa de chamas disparou do capacete durante a execução, enchendo a câmara de execução com um cheiro forte de fumaça e amordaçando as duas dezenas de testemunhas oficiais”. 

A energia foi temporariamente desligada, mas Medina continuou se contorcendo e queimando até que ele finalmente morreu.

13. O odor e o som escaldante da carne queimada

Frank Coppola era um policial da Virgínia que foi condenado à morte pelo assassinato de sua namorada em 1978, durante o qual ele repetidamente bateu a cabeça dela no chão. 

Depois que ela morreu, Coppola e cúmplices fugiram com mais de 3.000 mil dólares e algumas jóias da cena do crime. 

Em 1982, ele finalmente foi amarrado em uma cadeira elétrica. Depois de um choque inicial que durou 55 segundos agonizantes, ele ainda não estava morto, após receber outro choque de 55 segundos, que segundo testemunha, produziu o cheiro e o som da carne queimada. O segundo choque também foi tão intenso que deixou as duas pernas de Coppola em chamas.

[Though Catalog]