Caecilianos podem ser os únicos anfíbios com mordidas venenosas. | Resumo.

Caecilianos com anéis ( Siphonops annulatus ) não se parecem apenas com cobras; uma nova pesquisa sugere que eles também podem fornecer uma mordida venenosa.(CARLOS JARED)

Caecilianos são anfíbios como salamandras e sapos, mas muitas vezes são confundidos com cobras por causa de seus corpos longos e sem pernas. Agora, os cientistas dizem que as semelhanças entre os dois são mais do que superficiais.

Novos microscópios e análises químicas sugerem que, como as cobras, os caecilianos têm glândulas próximas aos dentes que secretam toxinas. 

A descoberta levanta a possibilidade de que os caecilianos sejam os primeiros anfíbios encontrados capazes de fornecer uma mordida venenosa.

Pedro Mailho Fontana, um biólogo evolucionário do Instituto Butantã em São Paulo, estuda caecilianos há vários anos e, em particular, as glândulas da pele. 

Ele ajudou a mostrar que os animais têm glândulas separadas para secretar muco na cabeça e envenenar na cauda.

No início de 2018, quando Mailho Fontana estava corroendo lentamente a pele do crânio de um ceciliano morto ( Siphonops annulatus ) para ver mais de perto as glândulas mucosas, ele viu uma grande glândulas nas mandíbulas superior e inferior do animal que tinham dutos indo para os dentes.

Mailho Fontana juntamente com suas colegas biólogas evolucionárias Marta Antoniazzi e Carlos Jared, também no Instituto Butantã, começaram a caracterizar essas inesperadas glândulas orais em várias espécies cecilianas, usando microscópios padrão e eletrônicos. 

Talvez a descoberta mais surpreendente seja que as glândulas surjam do tecido dental. É como as glândulas de veneno de cobras, relataram os pesquisadores em 3 de julho no iScience .

A equipe também realizou testes bioquímicos preliminares no fluído nas glândulas recém-descobertas e descobriu que ele contém enzimas fosfolipase A2, um grande grupo de proteínas que cortam gordura que são componentes frequentes em venenos de animais. Mas o trabalho parou de mostrar conclusivamente que os animais são venenosos.

Venenos não são totalmente desconhecidos dos anfíbios; alguns usam protrusões ósseas para criar feridas em seus agressores e liberar toxinas derivadas da pele dessa maneira. 

Jared e seus colegas descobriram anteriormente os únicos sapos peçonhentos conhecidos ( SN: 8/6/15 ). Mas Jared observa que esses anfíbios não podem injetar seus venenos e, em vez disso, contam com um atacante pressionando seus fragmentos pontudos.

Os pesquisadores descobriram as glândulas de cabeça para baixo em forma de gota (esbranquiçadas, acima dos dentes amarelos) por acidente, ao tentar ver de perto como a pele de um ceciliano produz lodo. Uma análise do líquido nessas glândulas revela enzimas comumente encontradas em venenos de animais.(CARLOS JARED)

As glândulas orais caecilianas também não parecem ajudar a injetar secreções. A equipe não encontrou tubos ou sulcos nos dentes que pudessem facilitar a entrega do fluido. Em vez disso, parece que as glândulas funcionam mais como os sistemas de veneno de monstros de Gila ou outros lagartos venenosos: as glândulas simplesmente escorrem secreções para os dentes, que então entram na vítima quando esses dentes se dilatam.

Que esses animais parecidos com cobras pareçam possuir uma mordida venenosa, mesmo que parecida com uma das cobras, não é uma coincidência, diz Antoniazzi. "Achamos que isso tem a ver com o fato de que eles têm corpos semelhantes", diz ela. Sem membros para subjugar presas, caecilianos e cobras se beneficiam de possuir armas químicas orais.

Os dentes dos cecilianos e as glândulas associadas são "extremamente fascinantes", diz Kartik Sunagar, biólogo evolucionário do Instituto Indiano de Ciência de Bangalore, comparando-os a "algo extraído de um filme alienígena". Mas ainda não está claro se as secreções das glândulas são realmente tóxicas e desempenham um papel funcional na alimentação ou na defesa, diz ele.

O rastreamento de quais genes são ativados ou desativados nas glândulas orais em comparação com as glândulas venenosas da cauda ou outros tecidos pode dar uma noção melhor do que as secreções orais contêm e se são exclusivas dessas glândulas, diz Sunagar.

A equipe espera fornecer evidências adicionais para que esses anfíbios sejam venenosos em breve, incluindo uma análise mais detalhada dos componentes das glândulas orais, o que lançaria uma nova luz sobre esses animais enigmáticos e pouco estudados. Os cecilianos são "talvez o vertebrado mais desconhecido", diz Jared. "Este projeto abriu as portas para estudos futuros".

[Science News]

 
document.querySelectorAll('img').forEach(function(img) { img.src = img.src.replace('/s72-c','/s1600'); });