Micróbios adormecidos acordam após 100 milhões de anos enterrados no fundo do mar. | Resumo.

Uma imagem ampliada mostra os micróbios revividos.(Imagem: © JAMSTEC).

Ninguém sabia que organismos unicelulares poderiam viver tanto tempo.

Os micróbios se encontraram enterrados na terra 101,5 milhões de anos atrás, antes mesmo do tiranossauro rex, quando o maior dinossauro carnívoro da Terra, chamado espinossauro percorria o planeta. 

Em um laboratório japonês, os pesquisadores trouxeram de volta à vida os organismos unicelulares.

Pesquisadores a bordo do navio JOIDES Resolution coletaram amostras de sedimentos do fundo do oceano há 10 anos. As amostras vieram de 328 pés (100 metros) abaixo do fundo de 20.000 pés (6.000 m) de profundidade do giro do Pacífico Sul. 

Essa é uma região do Oceano Pacífico com muito poucos nutrientes e pouco oxigênio disponível para a vida, e os pesquisadores procuravam dados sobre como os micróbios se dão bem em uma parte tão remota do mundo.

"Nossa principal pergunta era se a vida poderia existir em um ambiente com poucos nutrientes ou se essa era uma zona sem vida", disse Yuki Morono, cientista da Agência Japonesa de Ciência e Tecnologia da Terra-Marinha e principal autor de um novo artigo sobre o assunto. 

Disse em comunicado"Queríamos saber quanto tempo os micróbios poderiam sustentar sua vida em uma quase ausência de comida".

Seus resultados indicam que mesmo as células encontradas em amostras de sedimentos de 101,5 milhões de anos são capazes de acordar quando oxigênio e nutrientes ficam disponíveis.

"No começo, eu era cético, mas descobrimos que até 99,1% dos micróbios em sedimentos depositados 101,5 milhões de anos atrás ainda estavam vivos e prontos para comer", disse Morono.

Os micróbios haviam cessado toda atividade perceptível. Mas, quando oferecidos nutrientes e outras necessidades da vida, eles se tornaram ativos novamente.

Para garantir que sua amostra não estivesse contaminada com micróbios modernos, os pesquisadores abriram o sedimento em um ambiente altamente estéril, selecionando as células microbianas presentes e alimentando-os com nutrientes exclusivamente com um pequeno tubo projetado para não permitir a contaminação.

As células responderam, eles rapidamente devoraram o nitrogênio e carbono. Dentro de 68 dias, a contagem total de células quadruplicou dos 6.986 originais.

Bactérias aeróbicas - respiradoras de oxigênio - foram as células mais difíceis e com maior probabilidade de acordar. 

Esses minúsculos organismos estavam sobrevivendo apenas das minúsculas bolhas de ar que descem para sedimentos ao longo de escalas de tempo geológicas. 

Parece que a taxa metabólica de bactérias aeróbicas é lenta o suficiente para permitir que elas sobrevivam por períodos tão longos.

A pesquisa foi publicada em 28 de julho na revista Nature Communications .

Publicado originalmente em Live Science.



 
document.querySelectorAll('img').forEach(function(img) { img.src = img.src.replace('/s72-c','/s1600'); });