Como seriam os colonos de Marte se retornassem à Terra depois de milhares de anos. | Resumo.

    Foto: Joseph Ventura.

Digamos que o futuro chegou e a humanidade conseguiu povoar Marte e se sentir confortável lá. Como seriam os colonos de Marte depois de milhares de anos? Sua aparência seria diferente da aparência de um terráqueo?

Os cientistas dizem que a residência prolongada no Planeta Vermelho, onde a gravidade e a luz do Sol são mais fracas do que na Terra, e a radiação é muito mais forte, levarão a rápidas mudanças evolutivas. Especialistas até acreditam que os marcianos podem se transformar em uma nova raça.

O biólogo Scott Solomon em seu livro “Future Humans: Inside the Science of Our Continuing Evolution“, escreve:

Duas populações da mesma espécie, instaladas em diferentes territórios isolados, começam a diferir uma da outra – lembre-se dos tentilhões de Galápagos estudados por Charles Darwin. Os tentilhões que vivem em uma ilha são diferentes dos tentilhões da outra ilha: em territórios diferentes, eles têm sinais que ajudam a sobreviver no próprio ambiente em que se estabeleceram.

Se a especiação nas ilhas da Terra leva milhares de anos, em Marte, esse processo será muito mais rápido devido à enorme diferença de condições. Em apenas 100-200 gerações, ou 6.000 anos, uma nova raça de pessoas pode aparecer no Planeta Vermelho.

Uma nova raça?

Seis mil anos é um tempo curto para uma pessoa mudar além do reconhecimento. O Homo sapiens moderno existe como uma espécie separada por cerca de 160.000 anos. E alguns estudiosos duvidam das palavras de Salomão.

Os biólogos Philip Mitterreker, da Universidade de Viena, na Áustria, afirma:

A especiação é um processo demorado que geralmente requer isolamento reprodutivo por milhões de anos e uma grande População. Alguns grupos humanos foram isolados por milhares de anos e ainda estão longe de se tornarem uma espécie separada.

Portanto, é improvável que as pessoas que colonizarem Marte durem 6.000 anos. Por outro lado, as condições no Planeta Vermelho são adequadas para que pequenas mudanças físicas comecem a aparecer entre os colonos depois de cem gerações.

Para que sejam sofridas quaisquer mudanças evolutivas em Marte:

1) a seleção natural deve funcionar;

3) as diferenças nas condições não devem ser muito fortes para que a população não morra nas primeiras semanas.

Como os marcianos diferem dos terráqueos

Ossos

Quando uma pessoa se instala no Planeta Vermelho, ela não precisa mais de um esqueleto pesado e bem mineralizado. A gravidade em Marte é muito mais fraca que a da Terra, o peso do colono lá será quase três vezes menor, o que significa que a carga no esqueleto é menor.

A necessidade de ossos maciços desaparecerá. Será contraproducente para o corpo gastar energia em seu conteúdo.

As pessoas com ossos pesados ​​gastam mais calorias, energia e minerais para construir seu esqueleto. Assim, em Marte, elas perdem evolutivamente para pessoas com ossos finos.

O mesmo vale para o trato digestivo. Em condições de gravidade reduzida, uma pessoa precisa de menos energia para caminhar e executar trabalho físico, assim não precisa consumir tanta comida quanto na Terra. O aparelho digestivo se contrai, os corpos dos colonos se tornarão estreitos.

Quando o marciano chegar à Terra, as pessoas verão um homem magro com ossos frágeis. O peso de um marciano aumentará quase três vezes: um indivíduo de 38 kg em nosso planeta pesará 100 kg, isso causará uma carga adicional em seus ossos. Provavelmente, ele não será capaz de se movimentar sem ajuda, precisará de uma bengala ou de uma cadeira de rodas.

Outra ‘surpresa’: um colono marciano pode ferir o peito, mesmo com um tapinha nas costas de um amigo.

Coração

Um marciano que visita a Terra morre após algum tempo de insuficiência cardíaca.

No Planeta Vermelho, em condições de baixa gravidade, o músculo cardíaco não precisa trabalhar tanto e se contrair rapidamente para bombear sangue através do sistema circulatório, como na Terra. Portanto, o coração do marciano se tornará ‘mais fraco’, isto é, menos ‘treinado’.

Em condições terrestres, simplesmente não pode lidar com a carga requerida.

Olhos

Marte está muito mais longe do Sol que a Terra. O planeta vermelho recebe 1,5-2 vezes menos luz, por isso os olhos dos colonos podem mudar.

Natalie Kabrol, planetóloga do SETI, explica:

Um dia ensolarado em Marte é como um dia nublado na Terra. Nossos olhos estão acostumados a uma certa quantidade de luz. Os marcianos terão que se adaptar às novas condições: ou o cérebro desenvolverá um novo método que permita à retina perceber e processar mais luz que realmente existe, ou com o tempo, os colonos terão mais olhos.

Pele

Não há muita luz solar no Planeta Vermelho, mas na sutil atmosfera marciana a radiação ultravioleta (UV) é muitas vezes mais forte do que na Terra. Em nosso planeta, para proteção UV, a pele produz o pigmento melanina, ou melhor, sua variedade eumelanina, que atua como filtro solar natural e confere à pele uma tonalidade marrom. Quanto mais eumelanina na pele, melhor os raios ultravioletas são absorvidos e mais escura fica a cor da pele.

Em seu livro, Solomon escreve que as pessoas que têm mais eumelanina poderão suportar melhor a radiação ultravioleta extrema no planeta vermelho. Portanto, a pele dos marcianos será muito mais escura do que qualquer pessoa na Terra.

Para resumir entre a multidão, um homem da Terra notará facilmente um marciano. Um hóspede de outro planeta será distinguido por uma pele muito escura, um corpo estreito, olhos grandes e se moverá em uma cadeira de rodas.

Provavelmente veríamos um marciano vestido com um traje de proteção, já que o contato direto com o meio ambiente da Terra poderia ser prejudicial a ele.

Até agora, os cientistas acreditam que não há vida microbiana em Marte – bactérias patogênicas e outras ‘criaturas prejudiciais ao corpo’. Portanto, o sistema imunológico dos colonos deixará de funcionar da forma em que funciona para nós – perderá a capacidade de combater infecções terrenas. Para não morrer, o marciano na Terra nunca terá que tirar seu traje de proteção e terá que comer apenas alimentos esterilizados.

Post scriptum

Todas as informações citadas no artigo são hipóteses baseadas nos princípios da biologia evolutiva. É impossível saber exatamente quais ajustes a natureza fará na aparência e no organismo dos marcianos.











Com a Informação Soulask.
 
document.querySelectorAll('img').forEach(function(img) { img.src = img.src.replace('/s72-c','/s1600'); });