14 de fev. de 2020

A epidemia do coronavírus matou pelo menos 910 pessoas e infectou mais de 40.000 em todo o mundo – mas teria o famoso profeta Nostradamus previsto a epidemia do coronavírus quando alertou a respeito de uma ‘grande praga’ há quase 500 anos?

O novo coronavírus (2019-nCoV) está se espalhando por toda a China e globalmente de forma alarmante, superando a pandemia de SARS de 2002 a 2003. O coronavírus, que pode saltar entre humanos e animais, foi detectado pela primeira vez na cidade de Wuhan, província de Hubei, no ano passado.
Embora a Organização Mundial da Saúde não tenha declarado oficialmente como uma pandemia (embora alguns especialistas já o considerem como tal) o vírus agora se espalhou para quase 30 países fora da China, alimentando temores pela segurança da humanidade.
A infecção por coronavírus foi confirmada na França, Alemanha, Japão, EUA, Austrália, Cingapura, Macau, Malásia, Camboja, Sri Lanka, Emirados Árabes Unidos, Coréia do Sul, Vietnã, Tailândia, Canadá e Nepal, entre outros.
Alguns até afirmaram estranhamente que o escritor do século XV e suposto místico, Nostradamus, previu o surgimento de uma ‘grande praga’ no futuro.
Uma pessoa postou no Twitter em espanhol, que traduzido diz:
A praga do século XXI chegou. Uma profecia de Nostradamus. Nós vamos morrer muito em breve.
Teria Nostradamus previsto a epidemia de coronavírus na China?
O surto viral chinês começou em dezembro do ano passado, quando uma nova cepa do coronavírus recém-descoberta, o Novel Coronavirus (2019-nCoV), foi descoberta em Wuhan.
O vírus foi rastreado inicialmente para um movimentado mercado de frutos do mar e o número de infectados disparou na última semana.
Desde então, as infecções por coronavírus foram confirmadas na Tailândia, França, Alemanha, Nepal, Coréia do Sul, Japão, Austrália e nos EUA.
Os teóricos da conspiração online sugeriram agora que Michele de Nostradame, ou Nostradamus, previu a epidemia no século XV.
Os seguidores de Nostradamus consideram esse homem um poderoso profeta e vidente que previu o Grande Incêndio de Londres em 1666 e a ascensão de Adolf Hitler em 1933.
 Nostradamus escreveu suas supostas profecias na forma de passagens místicas conhecidas como quadras.
A maior parte das quadras de Nostradamus foi publicada em 1555 em sua magnum opus, Les Propheties.
Uma dessas quadras, Centúria 2:53, poderia ser uma referência ao coronavírus, de acordo com declarações online.
A passagem diz:
A grande praga da cidade marítima
Não cessará até que seja vingada a morte
Do sangue justo, condenado por um preço sem crime,
Da grande dama ultrajada por fingimento.
A província de Hubei é uma parte sem litoral do leste da China, por isso é improvável que Wuhan seja a “cidade marítima” mencionada por Nostradamus.
No entanto, a doença, no foi atribuída a um mercado de frutos do mar, que poderia ser um elo com a quadra.
Nostradamus mencionou outra praga na Centúria 2:56.
A passagem diz:
Aquele que nem a praga nem o aço sabiam terminar,
A morte no cume das colinas atingiu o céu:
O abade morrerá quando verá arruinado
 Aqueles dos destroços que desejam capturar a rocha.
Você deveria acreditar em alguma alegação sobre as profecias de Nostradamus?
De acordo com Brian Dunning, autor do podcast Skeptoid, as previsões de Nostradamus exigem muita retrospectiva para serem vinculados a eventos mundiais.
Ele disse:
Os escritos de Nostradamus são explorados de várias maneiras falaciosas.
Traduções ambíguas e erradas, interpretações ‘criativas’, escritas fraudulentas, relatos ficcionais e a quebra de códigos inexistentes em suas quadras contribuem para um vasto corpo de trabalho, tudo errado e muitas vezes tudo que Nostradamus jamais realmente escreveu.
Michel de Nostredame foi realmente uma das luzes brilhantes de sua época, mas subscrever histórias falsas e lendas urbanas é desrespeitar quem realmente era esse homem.
Aprecie suas contribuições à medicina e à literatura renascentista e não trivialize suas boas obras em favor de uma pretensa história de poderes mágicos paranormais.







Com a Informação Planeta Absurdo.

0 Comentários :

Postar um comentário