Torre de Babel - A bíblia descreve que a origem das línguas foi na época da Torre de Babel. | Resumo.


A Bíblia descreve a origem das línguas de uma forma muito diferente. O livro de Gênesis aponta que os idiomas foram confundidos "na terra de Sinar", conhecida depois como Babilônia, que ali se dispersou a humanidade. 
Tudo isso aconteceu há uns 4.200 milhões de anos quando os homens quiseram desafiar os limites da terra construindo uma torre que poderia chegar até o céu. 

A ira de Deus caiu então sobre eles e castigando a humanidade, que até então falava a mesma língua.  
Os idiomas que surgiram então era um sistema de comunicação tão complexos como o origina unitário. Por essa questão de séculos, o homem pode fazer grandes cidades, reunir poderosos exércitos e criar rotas comerciais internacionais. 
Além do mito da Torre de Babel, existem outras histórias de comunicação de uma tribo do norte de Myanmar, segundo a qual, todos viviam em uma grande aldeia e falava uma mesma língua. 
Então decidiram construir uma grande torre, e enquanto faziam, gradualmente adquiriram diferentes hábitos, costumes e modos de falar e dispersaram por todas as partes. 
Limitar a origem real dos idiomas é uma tarefa complicada para os linguistas.  
Alguns investigadores acreditam que os idiomas modernos surgiram de uma só língua: a chamada "língua mãe" que, segundos eles, falavam os seres humanos há quase cem mil anos. Outros afirmam que os idiomas de hoje surgiram a partir de vários idiomas que era falado há pelo menos seis mil anos. 
 


LÍNGUA ADÂMICAS 


genesis-11


 O adâmico foi o idioma falado por Adão e Eva no Jardim do Éden. O acadêmico é geralmente identificado com a língua usada por Deus para se comunicar com Adão, o com o idioma inventado por Adão (Gênesis 2:19)
O Gênesis é ambíguo sobre a língua de Adão, foi conservada por seus descendentes até a confusão das línguas (Gênesis 11:1-9), ou se começou revolucionar naturalmente, inclusive antes de Babel (Gênesis 10:5), no que se soa denominar língua caldeia: 

Dante em seu livro De Vulgari sustem que a linguagem adâmica é de origem divina, e por tanto, não pode mudar. 
Em seu outro livro Divina Comédia, porém, Dante muda de opinião no sentido de que o idioma adâmico foi o produto de Adão. 
Isso teve uma consequência que não poderia ser considerada diferente, por tanto, não pode considerar ao hebraico como idêntico a língua do Paraíso. 
Também a natureza do idioma original, segue sendo controvertida, devido aos multiplicas interpretações nacionalistas:  
A exegese tradicional judaica Midrash (Gênesis Rabbah 38) diz que Adão falava antigo hebraico, ou seus antepassados linguísticos, o proto cananeu, porque os nomes Eva - "Isha" (Livro de Gênesis 2:23) e "Chava" (Gênesis 3:20) - somente tem sentido no hebraico.  

separação-dos-idiomas


Os cristãos tradicionais sobre a base do Gênesis 10:5 supõem que as línguas jafetitas ou indo-europeístas diretos da língua adâmica, depois de ter separado depois da confusão de línguas, na qual também se viu afetada o hebraico. 
Os primeiros padres cristãos primitivos alegaram que Adão falava latim para explicar que esse se converte na linguagem litúrgica da Igreja, embora Latim seria uma forma de se referir a seu antecessor, o proto-itálico ou o mais antigo indo-europeu da Europa. 

Os cristãos tradicionais modernos seguem as revelações de Ana Catalina Emmerick (1790), que relacionou como descendentes diretos das línguas adâmicas a bactrio, zend e os idiomas da Índia (Isso quer dizer que as línguas indo-iranias), associando assim a língua adâmica como o então recente conceito de "origem comum" dessas línguas, agora conhecido como proto indo-europeu. 
Deus lhe deu também uma língua nova e santa possuída por nenhuma outra nação, isso assim sua raça deveria ser cortada da comunicação com todos os outros. 
Essa língua era o hebraico puro, ou caldeu. A primeira língua, a língua materna, falada por Adão, Sem e Noé, era diferente, e é existente agora somente em dialetos islados. 

origem-dos-idiomas


 Seus primeira prole pura são os Zend, a língua sagrada na Índia, e a língua do Bactrians. Naquelas línguas, as palavras podem ser encontradas exatamente semelhantes ao Alemão. 
Muitos eruditos musulmanos, a raiz da identificação do hebraico como o idioma adâmico pela tradição judaica, classificam esse dentro da família das línguas semitas (que inclusive a linguagem ge'ez utlizado no livro de Enoque), afirmando que o adâmico era originalmente pré-árabe - por tanto, proto-semítico (oriental). 

A maioria deles não acreditam que as línguas semíticas foram as descendentes direta do idioma adâmico (pre-Babel), mas que derivam de Abraham), no lugar de Noé ou Adão. 
A confusão das línguas é a fragmentação inicial dos idiomas descrito no livro de Gênesis 11:1-9, como resultado da construção da Torre de Babel. 
E disse Deus: Aqui o povo é um, e todos esse tem uma linguagem: e começaram a trabalhar, e nada lhes parar agora do que estão pensando fazer. 
Agora pois, descendamos, e confundamos ali suas línguas para que ninguém entenda o que fala seus amigos. 
Assim os espalhou Deus dali sobre a face de toda terra, e deixaram de edificar a cidade. 
O idioma falado por Noé e seus descendentes - já fora o idioma adâmico original (de origem divina ou não) ou o derivado caldeu - foi dividido por Deus em setenta e setenta e dois dialetos, dependendo da tradição. Está na passagem de (Gênesis 11:1 Toda a terra tinha somente uma língua e as mesmas palavras. 
Tem sido interpretado as vezes como em contradição com Gênesis 10:5
Por isso foram repartidas as ilhas das pessoas em suas terras, cada qual segundo sua língua, conforme as suas famílias em suas nações.  
Em questão somente surge, porém, em caso de Gênesis 10:5 é interpretado como que tem lugar antes e de forma separada da história da Torre de Babel, o lugar de como uma visão geral dos acontecimentos descritos em detalhes mais adiante em Gênesis 11
Também exige que a referência a qual a terra está dividida (Gênesis 10:25) se entende como divisão das línguas, em lugar de uma divisão física da terra (como em formação dos continentes). 
Por tanto, resumindo, esses são os fatos conhecidos por nós a partir da linguística comparada, em relação com as crenças de Abraham e da interpretação e a cronologia bíblica: 

A maioria dos linguísticas - sem nenhum vínculo com a religião, somente se baseando na gramática comprada - aceitaram uma ou outra forma de super famílias linguísticas, desde eurasiáticos e afroasiáticos < nostrático < boreano e, em última instância o protoidioma universal, que equivalia e essa linguagem comum do Gênesis que se falava antes de que fosse confundido em diferentes idiomas, dali o resultado parecido, obtendo a reconstrução dos diferentes subgrupos indo urálico) que com um planejamento mais global nostrático ou inclusive da protolíngua universal. 
A maioria dos primeiros idiomas atestados, reconstruídos ou hipotéticos (geralmente aceitados, como antigo egípcio: (semitas) acádio, indo europeu, pre-proto cananeu, (indoeuropeos) protoindoiranio, indoeuropeo de Europa, protogriego, Anatólio común; (urálico) protofinougrio; (sinotibetano) protosinítico; (pre-)protodravídico; etc. se remonta - em função dos encontrados arqueológicos e as teorias linguísticas, intrinsecamente inexatas a 2500 aC. 
Por tanto, é estranho que antes dessa data todo seja mais difuso. Em encontros linguísticos e reconstruções de antepassados linguísticos mais antigos - como por exemplo, a hipóteses das laringais (ou o resultado fonético em vocais depois de sua desaparição) do proto-indo europeu tardio, ou a difícil reconstrução dos protos emita, por não falar de proto-urálico ou proto-sino tibetano. 

Esse é o argumento mais forte para apoiar uma imediata divisão teórica no argumento mais forte para apoiar uma imediata divisão de um idioma (caldeu o adâmico) em 70 ou 72 línguas derivadas, que conhecemos por inscrições, reconstruções ou hipóteses, ou que desapareceram sem deixar rastro.  

a-origem-dos-idiomas-torre-de-babel



 Em sua classificação em "famílias" linguísticas, elas podem estar logicamente relacionadas a famílias baseadas em consanguinidade, conforme descrito na Bíblia, mas as identificações dos estudiosos modernos obscureceram possíveis relacionamentos (se houver) entre superfamílias linguísticas. e os filhos de Noé; então v.g. com a identificação simplista das línguas jafetitas (de descendentes de Jafé) com indo-europeias, de línguas semíticas (descendentes de sem) com línguas semíticas. Hoje, porém, parece muito mais razoável a identificação tradicional dos filhos de Jafé com os povos "europeus" (e, portanto, com as línguas da Eurásia), e dos filhos de Sem com o (conceito antigo de) povo "asiático" (e, portanto, com as línguas afro-asiáticas), deixando os filhos de Ham com (pelo menos) as línguas industrial e dené-caucasiana (veja uma árvore das línguas boreanas). 
Muitas das interpretações bíblicas da língua adâmica compartilham erros inerentes às opiniões culturalmente tendenciosas e simplistas de muitos acadêmicos, como a identificação da língua original como protosemita por judeus e muçulmanos, proto-europeia por muitos cristãos (desde o primeira descrição da língua oficial como japetisk, jafético, de Rasmus Rask), sânscrito ou indo-iraniano (ariano) pelo hinduísmo, etc. Isso dificulta uma interpretação mais racional da Bíblia e de outros textos sagrados à luz dos resultados acadêmicos mais recentes. 
Em resumo, não podemos saber se a língua adâmica existia, ou sua natureza, nem sabemos se a Caldéia (a língua comum antes de Babel) era a mesma adâmica, ou se não, se era global (proto-linguagem universal) ou local Oriente Médio (nostrical?) De acordo com Gênesis 10: 5. No entanto, podemos defender as principais crenças abraâmicas sobre a confusão de idiomas e a Torre de Babel quanto possível (a "probabilidade" baseada em extrapolação tem pouco a ver com religião e até com eventos sociais que ocorreram há mais de 4000 anos). , e que os descendentes de Noé poderiam ter falado uma língua comum até os séculos por volta de 2500 aC:

1928 aC ou 1996 AM, de acordo com a cronologia judaica comum; 
2240 aC, segundo estudiosos cristãos modernos, como Sir Isaac Newton, Johannes Kepler ou James Ussher; 
Por volta de 3000 aC, de acordo com a cronologia bíblica reversa - tomando como data verdadeira alguma data anterior e depois voltando à história através de relatos bíblicos.  

Tudo isso não remove nenhuma outra interpretação possível do Adâmico ou Caldeu pelos criacionistas da Terra antiga, que geralmente tomam as referências históricas do Gênesis como eventos reais (com sua interpretação literal) somente da Torre de Babel em diante, descartando o restante dos dados bíblicos do dilúvio atrasado e, portanto, qualquer cronologia dos criacionistas da Nova Terra, calculada com base em genealogias bíblicas. 












Com a Informação uubr.
 
document.querySelectorAll('img').forEach(function(img) { img.src = img.src.replace('/s72-c','/s1600'); });